quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

BB : Dilma deve passar o rodo

Quem nomeia o presidente do BB é o ministro da Fazenda, e quem nomeia o da PREVI é o do BB, ou seja, o ministro Mantega está vacilando e derretendo no episódio da suposta briga entre os presidentes das instituições sustentado pela mídia para causar o maior estrago possível ao governo. E, se possível, botar na direção do BB alguém do "mercado".

Dilma apoia Mantega mas não quer saber de problemas no BB. Deve ter dado um ultimato, até porque a quebra do sigilo do ex-vice-presidente destituído em dezembro não desceu pela sua goela. Não quer a repetição do que ocorreu na Caixa, na época de Palocci ministro. 

Nem Bendine nem Ricardo Flores são cartas da manga de Dilma. Ainda são resquícios de Lula. Para ela passar o rodo, tirar os dois e botar gente da sua confiança não demora muito. Essa mudança não traria nada de novo para os aposentados e pensionistas da PREVI, que tiveram surrupiada no governo Dilma a metade do superávit em 2011, nem para os funcionários da ativa, que são submetidos a metas abusivas e desrespeito ao direito às 6 horas diárias de trabalho. 

Dilma enquadra militares da reserva após desacato

Vem aí a Comissão da Verdade para tentar jogar luzes sobre o período da ditadura, e há inquietação entre alguns ex-militares sobre o que poderia ser revelado. Entendiam que podiam fazer o que quisessem, torturar, matar, perseguir, que nada disso jamais seria exposto. Agora essa "garantia" está por expirar, e alguns acham que ainda detêm o poder roubado à sociedade em 1964 para tentar enquadrar a Presidente Dilma e seus ministros. Entidades de militares da reserva, de forma insolente, publicaram nota criticando o governo da Comandande-em-Chefe das Forças Armadas, e tiverem imediata resposta para retirarem tal mensagem do ar no seus sites.

Agora dizem que estão sob censura, mas é o poder da legalidade institucional que os faz calar. Bem diferente do poder espúrio, da mão de ferro ditatorial, da qual uns poucos fizeram parte e agora querem tentar envolver as novas gerações nas suas barbaridades como se fossem justas e patrióticas.
http://www.vermelho.org.br/editorial.php?id_secao=16&id_editorial=1039

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Rio : Enfim, polícia prende uma quadrilha de agiotagem

Hoje a polícia do RJ prendeu uma quadrilha de agiotagem que agia em 5 municípios. Cobravam juros de mais de 300% e ameaçavam os clientes de morte em caso de não pagamento. Faturavam em cima da desgraça alheia mais de R$$ 500 mil por mês.

O que deveria ser aplaudido pelos cidadãos deve ser visto com cautela, já que basta passar em certas ruas do centro do Rio (exemplo: Pres. Vargas perto da Uruguaiana) para encherem suas mãos com dezenas de panfletos oferecendo "dinheiro fácil". Tudo agiotagem à luz do dia. Fora os anúncios em jornais.

Certa vez conheci uma pessoa que estava nas mãos de um agiota, que tinha escritório em Jacarepaguá, tudo arrumadinho, parecia uma agência bancária. Ela tomou R$ 700 de empréstimo para pagar R$ 950 em 15 dias. Dois dias depois do prazo, já sob ameaças, a "empresa de agiotagem" disse que a dívida já estava em R$ 1150, e que se não fosse paga continuaria crescendo e problemas aconteceriam com o credor.

Agiotagem é uma das mais perversas formas de exploração das pessoas necessitadas, que não encontram meios de tomar dinheiro emprestado em instituições de agiotagem legalizada. Parabéns à polícia do Rio, pelo bom início. Falta muito, muito mais. 

BB : Vice que saiu em dezembro será investigado agora

Em dezembro, sem nenhum motivo aparente, o vice-presidente de Pessoas Jurídicas do BB foi exonerado. Ninguém explicou nada, simplesmente saiu, e pronto. Depois, veio a dança das cadeiras com a nomeação de novos diretores e vice-presidentes, e o cargo foi preenchido.

Agora, em meio a um tiroteio inflado na mídia para detonar o presidente do BB e o ministro da Fazenda, aparece a denúncia contra o ex-vice-presidente de ter recebido dinheiro em meio a um negócio com um grande cliente do banco. A canalha da oposição ao governo agora quer convocar o presidente do BB para dar explicações no congresso, etc. Tudo dentro do script.

Será que a alta direção do BB já sabia da existência de problemas em dezembro? Agora que o caso saiu na imprensa dizem que vão mandar investigar. A propósito, no que deu aquela estória da diretoria de Marketing em 2005, envolvida com pagamentos antecipados à empresa de propaganda investigada no esquema do mensalão? Mandaram investigar também?



Paraíba : Al Qaeda x Estados Unidos

Cada bobabem que aparece... Em João Pessoa as facções criminosas Estados Unidos e Al Qaeda disputam o controle do tráfico nas comunidades usando muita violência. Como toda vez que alguém digita na internet o termo "Al Qaeda" os sistemas de monitoramento da inteligência norte-americana capturam, logo vai baixar uma equipe da CIA ou até os marines para ver o que se passa na capital paraibana...
http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/faccoes-al-qaeda-e-eua-disputam-controle-do-trafico-em-joao-pess/n1597654715441.html 

Rio : Para não dizer que não falei do Vasco.

Com tanto assunto interessante para comentar em meio à falta de tempo, ontem teve até vascaíno cobrando que não fiz nenhum comentário sobre a Taça Guanabara, conquistada depois de 19 anos pelo Fluminense. Há tricolor que diz que essa taça não serve para nada, só para gerar estatística, porque ainda tem a Taça Rio, espécie de segundo turno, e o vencedor de cada uma delas disputará o título estadual. Mesmo desqualificada, o fato é que o time que ocupa aquelas terras improdutivas das Laranjeiras (o MST está de olho!) tem uma geração de torcedores que até já dirige mas não viu o time campeão nesse período. Uma estatística quase corintiana ou botafoguense. Parabéns de qualquer jeito, e que guardem bem o pôster do time, colocando os nomes nos jogadores, porque se alguém não fez isso com o de 1993 certamente já terá dificuldades de lembrar de quem estava na foto. Aquela coisa do avô tricolor falando para o neto: "esse aqui era o artilheiro, aquele menino ... como era mesmo no nome dele?".

Já o Vasco era o assunto principal de ontem. Numa manchete de tablóide, a síntese: "Vasco, desfalcado de Deivid, é vice de novo". E assim foi em todos os jornais. Vice de novo, vice até morrer, etc. Eles conseguiram no último ano a tríplice coroa: foram vices de todos os demais times cariocas de 1a e 2a divisões: Fla, Bota e Flu. De quebra, foram vice do Corinthians, o exemplo que sua fiel torcida segue em meio a tantas agruras. O que falar mais do Vasco? Que ao contrário do navegador portugués Vasco da Gama, que sempre desembarcou nos continentes que explorou, eles nadam e morrem na praia? Que são muito bons de preliminares e na hora do "vamos ver" brocham? A novidade é que ouvi de um vascaíno que ser vice é prova de qualidade do time, afinal, só é vice quem chega às finais. Brilhante para ele. Quem torce pelo Mengão pensa parecido: só é campeão quem chega às finais e vence.


Copa : FIFA quer lei anti-greve e que governo assuma riscos

O presidente da CUT, Artur Henrique , denuncia projeto de senadores que pretende criar um regime trabalhista discricionário específico para a Copa do Mundo de 2014, com a proibição do direito de greve de trabalhadores da construção, de segurança, de comunicações e outras que passam a ser consideradas estratégicas.

Além desse atentado à organização dos trabalhadores, a FIFA pretende passar ao governo (ou seja, aos cidadãos brasileiros) a conta por qualquer eventual problema que aconteça aos jogos (atos terroristas, acidentes, etc). Do site da CUT extraímos o texto abaixo com o que se  pretende:
"...A Fifa quer que o governo federal se responsabilize por todo e qualquer dano, mesmo os causados por possíveis atos de terrorismo e desastres naturais. Já o governo aceita responder apenas por atos de ação ou omissão praticados por agentes públicos a serviço...."

domingo, 26 de fevereiro de 2012

Rio : Final da Taça Guanabara tem cheiro de naftalina

Por uma dessas coisas inacreditáveis do futebol, o Flamengo deixou de estar na final de mais uma Taça Guanabara porque seu artilheiro Deivid resolveu dar um toquinho de calcanhar na bola em frente a um gol escancarado e porque Loco Abreu, o artilheiro do Botafogo, mais uma vez perdeu um pênalti precioso valendo a classificação. Com o único time de primeira divisão do Rio fora, e o melhor dos times médios também, sobrou a final da taça para o Vasco, que não ganha desde 2003, e Fluminense, que não sabe o que é esse título desde 1993. Uma final emocionante, como a de 2005, onde o Volta Redonda se sagrou campeão e o Americano, de Campos, foi vice.

Neste domingão de sol de fim de horário de verão o cheiro de naftalina se espalha pelas ruas da cidade, com gente tirando dos baús camisas antigas para torcer por mais uma final. A Taça Guanabara já foi levantada 19 vezes pelo Flamengo, 11 pelo Vasco, 8 pelo Fluminense e 6 pelo Botafogo, tendo o Mengão conquistado o pentacampeonato de 1978 a 1982 com o glorioso time encabeçado por Zico e Júnior. Como temos compromisso de defender os mais necessitados de títulos, o justo seria o Vasco ceder o jogo ao Fluminense, ficando vice mais uma vez, posição onde é imbatível. 

Boris Casoy acusa Lula de ter matado dona da Daslu

Boris Casoy continua uma vergonha, desde o episódio dos garis. Segundo ele, Lula usou os crimes de contrabando, sonegação fiscal e formação de quadrilha de Eliana Tranchesi, dona da Daslu (loja de ricaços de Sampa)  para desviar a atenção sobre o escândalo do mensalão. Conclui o jornalista do SBT : tudo isso contribuiu para agravar o câncer que matou a empresária.

E o câncer de Lula, pela lógica de Casoy, seria provocado pela mídia que o ataca diuturnamente há mais de 30 anos? Boris Casoy é cúmplice do câncer de Lula? Isto é uma vergonha! Veja o vídeo do link abaixo:
http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/boris-casoy-diz-que-lula-matou-dona-da-daslu

Herrar é umano (0013) - Entalar veículo sob viaduto

Quem passasse ontem (sábado) pela manhã sob o viaduto que sai do Túnel Rebouças e cruza a R. Jardim Botânico no Rio veria um caminhão-agência da Caixa perfeitamente encaixado no vão.

Um desavisado poderia achar que seria alguma forma de reforço estrutural, já que prédios andam caindo por aí. Outros poderiam achar que uma agência da Caixa sob um viaduto poderia oferecer produtos do Minha Casa, Minha  Vida a moradores sem-teto que por ali habitassem, afinal, a Caixa tem até agência-barco para inclusão social.

Nada disso. Como em 99% dos viadutos no Brasil não há placa indicando o vão sob a peça estrutural,  os motoristas de caminhões tentam passar acreditando que os veiculos cabem. De fato, quase passou, ficando preso em alguma irregularidade do viaduto ou do piso, e quando retornei ao local cerca de 10 minutos depois ele já tinha saído, possivelmente usando a solução de baixar os pneus para perder altura. 

sábado, 25 de fevereiro de 2012

Itália : Crise levará Igreja a pagar impostos

Logo depois que o governo aprovou um pacote de austeridade econômica jogando nas costas dos mais pobres o ônus da crise, milhares de pessoas peticionaram pelo fim das regalias fiscais concedidas à Igreja Católica na Itália. Cerca de 600 milhões de euros deixam de ser recolhidos aos cofres públicos anualmente por ser a Igreja isenta de impostos sobre seus negócios, que envolvem hotéis, pensões e outros estabelecimentos onde há um padre ou freira na gestão ou possuem capela internamente.

Se a moda pega, aqui no Brasil a arrecadação de impostos de todas as igrejas renderia muitos recursos para ajudar o erário público. Aquelas cerimônias de coleta de sacos e mais sacos de dinheiro de alguns estabelecimentos religiosos iria rapidinho desaparecer das TVs. E as fortunas em dízimos e contribuições cobradas a cada hora, quanto não pagariam de impostos sobre rendas? Fora as malas de dinheiro que de vez em quando são pegas em trânsito. E o IPTU de templos, igrejas, escolas religiosas, etc? Afinal, perante os tributos, alguns são mais filhos de deuses que outros?

http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/italia-vai-cancelar-isencao-tributaria-da-igreja

Irã : Radicalismo religioso pode executar cristão

Se na Idade Média houvesse internet, praticamente todo dia haveria movimentos para evitar a morte de algum judeu, ateu, herege, bruxa, alquimista ou mouro nas fogueiras ou forcas da Igreja Católica. Como os tempos são outros e as pessoas só se lembram do que aparece na TV, o fato do momento é a possível execução de Yousef Nadarkhani, um iraniano que se converteu ao cristianismo e pregava sua fé por lá, confrontando o medieval estado teocrático. No país dos aiatolás, negar Alá é crime punível com a morte. São cerca de 300 mil cristãos, a maioria de origem armênia, que passam por perseguições do regime islâmico.

A ordem para a sua execução já teria sido expedida e pode ser até que já tenha sido enforcado. Os cristãos estão se mobilizando em orações e pedindo aos governos para pressionarem os aiatolás pela vida de Yousef. Apelos estão sendo feitos ao governo brasileiro para que intervenha junto ao governo iraniano a favor do cancelamento da execução. A pressão brasileira já foi importante para evitar a execução, por apedrejamento, da iraniana Shakineh Ashtiani. O então presidente Lula chegou a propor a extradição da mulher para o Brasil, onde receberia asilo.

Esse tipo de coisa deveria trazer á reflexão o papel das religiões no acirramento de conflitos, nas perseguições, nos preconceitos e na violência praticada a partir da intolerância. Se essas pessoas que se dizem temente a alguma divindade praticassem os preceitos dos seus deuses, não fariam guerras e respeitariam o direito de cada uma ter sua escolha. O fato é que, ressalvadas raras exceções, cada religião quer ser dona da verdade e catequizar os "infiéis", ou seja, os que não concordam com eles, a ferro e fogo. A história está cheia disso. Entramos no século XXI e as trevas medievais estão presentes, contrariando a racionalidade que deveria ser a base do entendimento da civilização rumo a um futuro de paz.



sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

FANOAPÁ 0006 - Queimar Alcorão em país muçulmano

Este exemplo de Falta de Noção que Assola o País na verdade assola outro país, os Estados Unidos, que continuam desconhecendo a história e o costume dos países onde seus soldados pisam com as suas botas imperialistas. Um Zé Mané qualquer, num quartel do Afeganistão, sabe-se lá por que, tocou fogo num exemplar do Alcorão, livro sagrado muçulmano. O que para o sem-noção era só uma fogueirinha, para o povão do lado de fora do quartel significa profanação, e sangue rola por causa disso.

Até agora o ato cometido pelo soldado ''por ignorância", conforme disse o presidente afegão Kazai, e que já foi motivo de pedido de desculpas pelo presidente americano Barack Obama, já causou a morte de 24 pessoas, sendo dois soldados da força internacional de ocupação, e continua a revolta popular que pode levar até à retirada, antes do tempo, das tropas interventoras ou a um banho de sangue. É por essas e outras "coisinhas" que os americanos não entendem como alguém sequestra aviões e joga contra seus prédios. 

Venezuela : Golpes em cima de golpes

Dos últimos 20 anos para cá a Venezuela é vítima de tentativas frustradas de golpes, com os principais protagonistas buscando depois a eleição e novos golpes. O então tenente-coronel Hugo Chávez, em 1992, encabeçou uma tentativa de golpe para derrubar o presidente Andrés Perez, que fazia uma política de arrocho do FMI de desemprego, salários baixos, causando revoltas populares frequentes. Acabou se elegendo presidente em 1998 e está se reelegendo desde então, concorrendo a mais um mandato em 2012.

Em 2002 foi a vez da direita pró-americana fazer sua tentativa, fracassando após prender Chávez, dissolver a Assembléia Nacional, o Supremo Tribunal Federal e tornando sem efeito a constituição de 1999. Estados Unidos e Espanha apressaram-se a reconhecer o governo golpista, mas militares ligados a Chávez retomaram o palácio presidencial e o restauraram como presidente. Nesse ínterim, houve eleições onde a oposição se recusou a participar e várias tentativas de minar o governo de Chávez.

Hoje recebi de um amigo que passou o carnaval numa das ilhas venezuelanas um exemplar da revista Zeta, que um desavisado poderia confundir com uma revista brasileira da direita, similar na programação visual. Ao abrir e examinar o conteúdo, cheguei a duas conclusões: a mídia brasileira é democrática, não tem nada de golpista, diante do que li, e que o governo Chávez é democrático, porque a liberdade de expressão permite o nível de críticas ali contido.

Exemplificando com um texto em destaque: "Os únicos militares que vociferam lealdade ao déspota são os que este converteu em seus reféns, permitindo-lhes enriquecer-se com o narcotráfico. O resto, a absoluta e determinante maioria, são cidadãos venezuelanos que, como todos seus compatriotas, desejam que a pátria tome o rumo civilizado e criativo perdito em  mãos dos políticos torpes que predominaram na fase final da Quarta República". Ou seja, se o militar está com Chávez, é narcotraficante! A mesma matéria "Civis e Militares" segue na esperança de trazer para um possível "golpe contra o golpe de Chávez contra as eleições de outubro" a ampla maioria dos militares.

A revista também dá mais detalhes da manobra que está sendo feita para golpear Chavez e impor o candidato pró-americano  Henrique Capriles Randonski, escolhido numa suspeitíssima eleição prévia no último dia 12 de fevereiro. Os organizadores esperavam cerca de 1,8 milhão de votos. Também segundo a revista, a Justiça Eleitoral, que emprestou as máquinas para votação, esperavam pouco mais de 1 milhão de votos, dado o prazo de 10 horas de votação e a capacidade por máquina.

Sem nenhuma explicação, apareceram mais de 3 milhões de votos, tendo o mais votado obtido mais de 1,9 milhão. Alegando de forma terrorista que o governo de Chávez poderia pegar a lista de votantes da prévia partidária para persegui-los, os organizadores mandaram queimar, imediatamente, toda a documentação. Na própria revista há matérias com candidatos reclamando que queriam recontagem nas suas localidades, mas seria impossível fazê-lo porque tudo foi destruído pelos próprios organizadores. As mídias pró-americanas e / ou anti-Chavistas bradaram que o candidato tem reais chances de derrotar Chávez, mas que um golpe poderia impedir sua vitória. É o tal lero-lero para justificar um eventual "golpe preventivo" da direita com apoio estrangeiro.

No mais, a revista é muito parecida com o similar nacional, como nas matérias abaixo:^
- "Fundo de pensão da PDVSA sem recursos";
- "Banco Central na insolvência";
- "Desvalorização : Resistiria a economia venezuelana sem desvalorizar sua moeda?"

Para completar, na entrevista com o candidato "recordista de votos" Capriles, está a informação da sua liderança na tentativa de ocupar a embaixada de Cuba quando da tentativa frustrada de golpe em 2002 contra Chávez. Que Chávez é um populista, mais um dos que usam o bom nome do socialismo para se tornar um caudilho, e que busque o poder a qualquer custo, considero uma realidade. Daí a tirá-lo do poder para colocar um outro caudilho pró-americano que liquidará com os programas sociais contra fome, de erradicação do analfabetismo e de doenças e outros legados da era Chávez para vender barato petróleo aos americanos, encabeçado por uma figurinha também golpista, é outra coisa. Entre ambos, sou mais o Chávez continuar no poder fazendo seu feijão-com-arroz populista.




Fortaleza : Luizianne demite grevistas da AMC

A denúncia é da Intersindical. A prefeita do PT demitiu, ilegalmente, em plena greve, 10 agentes de trânsito em estágio probatório da AMC. Quem te viu, quem te vê, Luizianne...
http://www.intersindical.inf.br/boletim_det.php?id=46

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Mídia : Grandes chutes, pequenas erratas

Antes tarde que nunca, o jornal O Globo publicou matéria onde é levantado questionamentos sobre os números apresentados pela PM e pela Riotur para a participação nos blocos carnavalescos. Buscaram a opinião de um arquiteto, que usando metodologia similar chegou à mesma conclusão que divulgamos no domingo, dia 19/2, no post http://blogdobranquinho.blogspot.com/2012/02/numeros-magicos-0002-calculo-de-folioes.html . Quanto ao Cordão do Bola Preta, praticamente chegamos à mesma conclusão de haver em torno de 500 mil pessoas, num cálculo muito generoso para cima. Será que não tinha no domingo ninguém na redação do jornalão para dizer "peraí, tá muito exagerado isso"? Veja aqui a matéria que é um mea-errata.
http://oglobo.globo.com/rio/estimativa-oficial-de-5-milhoes-de-folioes-nos-blocos-gera-duvidas-4048245

Mengão perde para Deivid

Podendo definir o jogo com um gol incrivelmente perdido por Deivid, o Flamengo perdeu para si mesmo. Naquele momento o gol poderia ser o fim das pretensões do mediano time do Vasco. Podíamos doar o Deivid para eles, pelo relevante serviço prestado. Agora o Vasco já pode ser vice do Botafogo. 

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Cuba : Socialismo dá espaço ao mercado

Interessante matéria sobre os ajustes econômicos de Cuba para dinamizar a economia através de concessões ao setor privado.
http://operamundi.uol.com.br/conteudo/reportagens/19720/cuba+acelera+ajustes+para+combinar+socialismo+e+mercado.shtml

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

SP : Carnaval Globeleza virou baderna na apuração

A Globo já tinha conseguido o mais difícil no carnaval paulistano, que era jogar os desfiles do grupo principal para sexta e sábado, adequando a festa à sua grade de programação. Pouco importa para eles se o folião precisar faltar ao trabalho na sexta para chegar a tempo à concentração da sua escola com fantasia e tudo, o que vale é o monopólio da transmissão das imagens e os lucros pela venda de espaços a patrocinadores.

Para quem conseguiu isso, o resto seria tranquilo. Botaram a apuração do desfile das escolas de samba de Sampa para a terça, e a do Rio para quarta, faturando duas audiências no horário da tarde. Tudo muito parecido entre Rio e São Paulo no carnaval, exceto a qualidade da transmissão e da tecnologia empregada, que no Rio dá de goleada. Talvez na crença da pasteurização dos produtos de carnaval que vende, algum executivo tenha achado que não precisaria de muita segurança na apuração dos resultados, afinal, no Rio há faz tempo que a apuração não é feita mais dentro de um batalhão da polícia para evitar violência.

Quem quer que seja o responsável, Globo ou Liga das Escolas, o fato é que acreditaram que não teria importância para a segurança São Paulo ter escolas de samba tradicionalmente rivais, e muito menos que aquelas ligadas ao Corinthians, Palmeiras e São Paulo, cujas torcidas vivem se matando toda vez que se encontram. Acharam que uns 20 policiais seria suficiente, até que um dirigente de uma escola menor pulou o alambrado, chegou à mesa apuradora e rasgou os votos, inviabilizando a apuração e criando um problema insolúvel para a competição. Depois vieram os torcedores da Gaviões que adoram uma rebelião.

O resto se viu na TV até certo ponto, quando a Globo parou de transmitir e botou a novela Malhação no ar. Pelas outras TVs deu para ver barricadas nas ruas, incêndio em carro alegórico, bandos andando pelo meio do tráfego ameaçando violência e concentração das torcidas nas ruas próximas à espera de confronto. Aí chegou a polícia com muitas viaturas, mas o estrago estava feito. Moral da estória: 2012 será o ano sem campeão no carnaval paulistano. Alguém achou que a segurança de Sampa era a mesma do Rio, mas errou na avaliação porque na terra da garoa polícia só serve para espancar sem-tetos e estudantes. Quem vai cobrar as responsabilidades pela falta de prevenção? A culpa foi só dos vândalos?

Rio : Sargento Pimenta é diferencial nos blocos do carnaval

Desde 1993 não ia a um carnaval prá valer. O último foi no carnaval de Salvador. Nos 23 anos que morei em Fortaleza carnaval era ir para as praias onde o forte é a brincadeira com farinha e água e música baiana, ou ir a Recife, Natal, Olinda e Salvador. Carnaval no Rio, nem me lembro, coisa da década de 70 ou 80, mesmo assim ia a bailes em clubes, que também não existem mais, daqueles com bandinhas tocando marchinhas antigas.

Resolvi neste ano checar o que está bombando no Rio : blocos livres, gratuitos, sem os cordões de privatização de ruas de outros lugares. Muito mais para Recife que para Salvador. Fomos ao Cordão do Bola Preta, Sassaricando, Banda de Ipanema, Sargento Pimenta e a dois bailes populares, na Praça Saens Pena e no Largo do Verdun (Grajaú).

Gostamos muito do que vimos. Mais ainda do que não vimos, como violência, por exemplo. Não vimos nenhuma briga, nenhum roubo, e melhor ainda, a cada esbarrão vinha um pedido de desculpas, esfriando instantaneamente qualquer possível animosidade. Drogas, vimos muito pouco, sempre maconha. Até bêbados eram raros. Os bailes populares com bandas contratadas pela prefeitura participavam pessoas locais, das favelas e do asfalto, tudo na paz. Um cenário inimaginável para quem saiu do Rio na década de 80 querendo distância de qualquer aglomeração.

Já foi surpreendente ver que os cariocas e os cerca de 800 mil turistas que estão na cidade estão se divertindo como nunca com blocos tocando velhas marchinhas carnavalescas em mais de 300 blocos. O diferencial foi a banda Sargento Pimenta, que se apresentou ontem no Aterro do Flamengo e nem conseguiu se deslocar da Marina da Glória até o Museu de Arte Moderna de tanta gente que havia, quase todos jovens e turistas. Um clima de Woodstock pela descontração, gente deitada nos gramados, em meio a cenários muito bonitos como a Igreja da Glória, Marina, Museu aos Mortos da 2a Guerra, Praça Paris e o próprio Aterro do Flamengo.

O cardápio da banda é Beatles, com letras originais, tocado em ritmo de carnaval. Um sucesso inesperado, que não encontrou estrutura suficiente para o público presente, como potência do som, banheiros e até cerveja chegou a faltar. Uma grande festa, fazendo da música dos Beatles uma espécie de marchinhas de antigamente. Tranquilidade, sem muvuca. Levantei no Google as áreas e c com base em densidades de ocupação observadas, estimo que havia cerca de 100 mil pessoas. 

Rio : Salgueiro ou Mangueira?

O segundo dia de desfiles de escolas de samba do Rio certamente apontará a escola campeã. O desfile do Salgueiro com o Cordel Encarnado, onde a bateria Furiosa misturou samba e xote, e o da Mangueira, com o paradão da bateria Surdo Um de 3 minutos, a evolução do carro dos cantores e porta-bandeira / mestre sala em meio à bateria e tudo ter dado certo foram os grandes destaques. Unidos da Tijuca também fez um bom desfile, novamente surpreendendo com a comissão de frente mostrando a alma da sanfona de Luiz Gonzaga e a perfeição dos bonecos de argila de Mestre Vitalino.

Este foi o carnaval da alta definição. O sambódromo do Rio passou por reformas de ampliação, melhorias no som e iluminação, favorecendo o trabalho da TV. O resultado foi muito bom. Vamos ver no que vai dar a apuração, já que no tal "voto popular" da Globo a Beija-Flor, sempre muito bem cotada pelos jurados, estava em último lugar na primeira noite. Acho que desta vez a Mangueira vai prás cabeças junto com o Salgueiro, mas apuração é uma caixinha de surpresas. 

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Libia : Anistia denuncia milícias do novo regime por abusos

Antes que se derrubem os governos da Síria e do Irã é importante observar o que acontece na Líbia, onde foi fomentada uma guerra civil pelas potências imperialistas e a OTAN interviu para derrubar Kadhafi. Passado quase um ano do início da guerra civil líbia, agora são as milícias que combateram o regime que fazem o papel de repressão de opositores nos moldes do regime derrubado. São cerca de 8 mil presos sendo torturados, conforme relatório da Anistia Internacional. Para eles, não tem negócio de "ajuda humanitária", pretexto usado para as "bombas amigas" da OTAN atacarem as forças de Kadhafi. Mais informações no site Opera Mundi. 

Rio : Os "hors concours"

Antigamente, quando havia concursos de fantasias de carnaval, concorrentes como Clóvis Bornay e Evandro de Castro Lima mostravam suas criações na condição de "hors concours", que quer dizer fora da competição, excelentes, etc. Não queriam ver a sua arte comparada a de nenhum outro competidor, por isso apenas mostram sem qualquer interesse.

No desfile das escolas acontece algo similar. A Beija-Flor é quase uma "hors concours", porque toda a mídia e os "analistas" de carnaval enchem a bola dela, praticamente sem olhar para os demais que desfilam. Mais ou menos como no futebol carioca é o Flamengo, único time de primeira divisão, campeão do mundo, etc. A gente sabe que ele vai ser campeão, mas, assim como a Beija Flor, às vezes tem que dar chance aos outros para não tirar o interesse da competição.

Tanto a Beija-Flor quanto o Flamengo deveriam deixar de concorrer, apresentando-se apenas para enfeitar as competições com a sua arte. Seria mais justo com os demais. 

Rio : Garotinho acusa Rodrigo Pimentel de covarde e fraudador

O Blog do Garotinho, do ex-governador e atual deputado federal Garotinho (PRB), publicou denúncia contra o empresário de segurança Rodrigo Pimentel, que também é consultor dos noticiários da Rede Globo, acusando-o de covardia em ação do Bope que teria causado a morte de um policial e de tentar fraudar com atestado médico falso uma surdez para conseguir aposentadoria antecipada.

O ex-policial conseguiu na justiça tirar do blog de Garotinho todo material que fale no seu nome. Para quem conhece o ex-governador, sabe que é mais fácil um argentino cair na área do adversário e não cavar um pênalti que o Garotinho não aproveitar uma situação dessas para se fazer de vítima, sua especialidade que já teve como ponto alto uma greve de fome quando sua família era acusada de envolvimento com as milícias (policiais bandidos) do Rio de Janeiro, abuso de poder econômico em eleições, etc. No seu blog já está estampada a tarja "sob censura há 3 dias"

Rodrigo Pimentel, junto com o ex-secretário de segurança do início do governo Garotinho, Luiz Eduardo Soares, escreveu o livro "A elite da tropa", que deu origem aos filmes "Tropa de Elite". Luiz Eduardo não conseguiu avanços na sua gestão contra a "banda podre" que dominava a polícia e saiu. Sucedeu-o Álvaro Lins, que junto com Garotinho foi condenado a 2 anos de prisão por formação de quadrilha ao lotear cargos nas delegacias policiais.

O escândalo do propinoduto (corrupção na Secretaria de Finanças no governo Garotinho com o desvio de milhões de reais para o exterior) e o envolvimento com milícias são crimes que levaram a diversos processos e denúncias contra a família Garotinho. Seu governo inspirou o filme "Tropa de Elite 2", por esse envolvimento com bandidos policiais em troca de apoio eleitoral. Sua filha Clarissa defendeu interesses de milicianos para evitar a demolição de prédios irregulares no Recreio dos Bandeirantes. O TRE-RJ chegou a cassar o mandato da sua esposa Rosinha Garotinho por abuso de poder econômico na eleição para a prefeitura de Campos.  Garotinho também tem se colocado contra a política de UPPs e  contra o secretário José Beltrame .

Que a verdade venha à tona é o desejo de todos. Cercear a liberdade de informação dos blogs não é o caminho para Rodrigo Pimentel esclarecer os fatos pelos quais é acusado. A ele ainda resta a desqualificação da fonte, o ardiloso ex-governador, que tem contra si uma enorme ficha corrida de malfeitos. Contra Rodrigo ainda pesa trabalhar para a Globo, porta-voz dos demo-tucanos, e ter contra si policiais corruptos, milicianos e desafetos que vão fazer de tudo para destruí-lo. Essa briga promete muita baixaria. 

Globo : Censor tirou férias no carnaval

Alguma coisa falhou na censura do Globo nos últimos dias, senão não teria saído a matéria "Desemprego de jovens cai à metade no Brasil, na contramão do mundo". A matéria faz o contraponto entre o pleno emprego no Brasil e a dramática situação na Europa, sem nenhum "mas", "porém", "contudo", todavia" obrigatórios nas empresas Globo quando a matéria é positiva para o governo.
http://oglobo.globo.com/economia/desemprego-de-jovens-cai-metade-no-brasil-na-contramao-do-mundo-4010962

domingo, 19 de fevereiro de 2012

Portugal : Banqueiros acabam com feriado do Carnaval

O Carnaval em Portugal virou protesto. O governo submisso aos banqueiros tirou o feriado da terça-feira gorda, e pretende tirar outros quatro, para que os trabalhadores sejam forçados a produzir mais sem receber nada de salário adicional, já que os dias já são pagos. Se alguém acha que o saco de maldades do capitalismo para tirar sangue dos trabalhadores tem fim, tem muito a aprender. Quando um desses povos humilhados pela Troika chutar o pau da barraca, derrubar governo, der calote e sair do Euro, aí  eles vão dizer que é sacanagem. 

Campeonato Carioca 2012 : Vasco não será vice do Mengão!

Este blog traz em primeira mão uma projeção que agradará à torcida do Trem da Supervia da Colina : seu time não correrá o risco de ser mais uma vez humilhado como vice do Flamengo, no Campeonato Carioca. Pela regra, na próxima quarta vão se enfrentar Flamengo x Vasco e Botafogo x Fluminense. Os vencedores de cada semifinal se enfrentarão na final.

Suponhamos que o Mengão, por filantropia, acidente ou algum tipo de golpe baixo do adversário,  perdesse para o Vasco na semifinal. Ele iria à final com chances de ser vice do Botafogo ou do Fluminense, ou até ser campeão, porque os três times se equivalem desde que frequentaram a segunda divisão. Já se a lógica prevalecer, Botafogo ou Fluminense poderão se vangloriar de serem vices de um time de verdade na próxima etapa.

Enquanto isso em algum lugar na cidade há vascaínos comemorando não terem que ouvir mais uma vez o mantra "vice de novo". Pelo menos nesta etapa do campeonato. Que a alegria seja eterna, enquanto dure. 

Números Mágicos (0002) - Cálculo de foliões no carnaval carioca 2012

Estava no O Globo de hoje que, segundo estimativas do 5o Batalhão da PM, haveria pelo menos 2,2 milhões de pessoas acompanhando o Cordão do Bola Preta ontem, no centro da cidade. Outros jornais falam em 2,3 milhões. O número superaria os cerca de 2 milhões de seguidores do Galo da Madrugada em Recife no desfile de ontem. Como estive no local, suspeitei da inflação na estimativa, e fui às contas.

Quando cheguei à Av. Rio Branco, havia uma concentração de pessoas dispersas no cruzamento com a Av. Presidente Vargas, e o carro da banda estava aproximadamente na altura do cruzamento da R. Sete de Setembro. No lado esquerdo da avenida, no sentido Presidente Vargas / Cinelândia, praticamente não havia ninguém nas ruas transversais. No lado direito, havia muita gente nas ruas transversais como Sete de Setembro, Assembléia, no Largo da Carioca, Nilo Peçanha e Treze de Maio.

A maior densidade de público estava nas calçadas por causa dos obstáculos (arquibancadas, bancas de jornal, alambrados, barracas de ambulantes, camarotes, banheiros, etc. No leito da avenida notamos maior adensamento a cerca de 100m do carro de som.

Na Cinelândia, inclusive Treze de Maio, boa parte da área de calçadas e rua estavam ocupadas por barracas, palco, veículos de polícia e secretaria de ordem pública, caixas de ambulantes, tapume próximo ao prédio desabado, banheiros, etc.

A partir dessas observações, vamos aos cálculos. Exagerando na extensão da Av. Rio Branco, supondo que estivesse ocupada desde a Pres. Vargas inclusive todo o cruzamento, até a Rua do Passeio, medimos pelo Google Earth cerca de 1250m. Considerada a largura da avenida em 30m, teremos 37.500 metros quadrados de área apenas nessa avenida. Se supusermos que não havia nenhum obstáculo nas ruas e calçadas como os citados anteriormente, e que a densidade de público seja da ordem de 14 pessoas por metro quadrado (equivalente a corredor de ônibus lotado em hora de rush), teremos 525 mil pessoas, um número extremamente exagerado já que havia trechos com densidades bem menores e até clarões sem ninguém.

Sendo generoso com a área da Cinelândia teremos 70m x 250m = 17.500 metros quadrados. Botando a mesma densidade de público, sem tirarmos nenhuma área por conta dos obstáculos, teremos mais 245 mil pessoas, uma quantidade absurdamente maior que a realidade. Medindo generosamente o Largo da Carioca (250m x 50m), e os trechos ocupados da Nilo Peçanha (100m x 50m), e das ruas adjacentes (500m x 15), teremos um subtotal de 25 mil m2, onde a lotação máxima seria de 350 mil pessoas.

Somando todos os subtotais, teremos cerca de 1.120.000 pessoas, cerca da metade da estimativa da PM. Pelo que vi no local, chutaria um teto de 500 mil pessoas, ainda assim caprichando na mão. Esse foi o número divulgado pela mídia para a Banda de Ipanema, que também vimos, e é mais uma grande generosidade para fazer maior o carnaval carioca. 

sábado, 18 de fevereiro de 2012

Rio : Cordão do Bola Preta é muita gente e pouco som

Diz-se que o Cordão do Bola Preta, tradicional agremiação carnavalesca carioca, arrastou no ano passado cerca de 1 milhão de foliões no seu desfile da Candelária à Cinelândia, no Rio. Vi imagens onde, de fato, a avenida parecia coberta de pessoas,além do espaço da Cinelândia. Há um grande esforço de mídia para criar no Rio um contraponto de carnaval de massas como o de Recife e de Salvador, já que até há pouco tempo o carioca não ficava na cidade no carnaval, preferindo as cidades próximas, e tudo que havia por aqui era o desfile pasteurizado da Marquês de Sapucaí.

Hoje fui lá conferir. O desfile começou por volta das 10h, com a participação do povão que chegava de trem, metrô e ônibus, colaborando para a festa com muitas fantasias. Ao contrário do que vimos em Recife na gigantesca apresentação do Galo da Madrugada, apenas o caminhão onde fica a banda tem som. Não há carros de apoio repercutindo o som no resto da avenida, e somente quem está cerca de 100 metros de distância do carro da banda ouve as músicas de carnaval. No mais, é o povo passando de um lado para o outro, na azaração, ou bebendo, ou tudo junto. A diversão fica por conta das figuraças que desfilam pela rua.

Apesar da prefeitura ter aumentado a quantidade de banheiros disponíveis e  ter feito campanha na TV contra os mijões, e ter colocado bastante policiamento nas ruas adjacentes, as filas eram imensas. A alternativa era entrar em alguns bares que cobravam cerca de R$ 4 para usar o sanitário. O policiamento da Ordem Pública, apesar de ostensivo, era muito falho, permitindo que as calçadas ficassem cheias de obstáculos que atrapalhavam e criavam situações perigosas para os transeuntes.

Na Cinelândia havia um grande palco, em frente à Câmara Municipal, que não era para o Bola Preta, que seguiu no caminhão até o final da Av. Rio Branco, junto ao Passeio Público. Deve ser para algum show à noite. Por toda a cidade há esse tipo de evento na tentativa de reter os cariocas na cidade, assim como as mais de 300 bandas que fizeram renascer o carnaval de rua. No Largo da Carioca há uma exposição sobre a história do carnaval carioca, onde o Cordão do Bola Preta tem papel importante.

O esforço da prefeitura em promover o Bola Preta como o grande bloco de abertura do carnaval esbarra em problemas de infra-estrutura sérios. Em 2008, quando completou 90 anos, a agremiação perdeu sua sede através de uma ação de despejo, depois de acumular uma enorme dívida de condomínio. Funcionava na Cinelândia, quase em frente aos prédios que caíram recentemente no centro da cidade.

 O Governo do Estado cedeu um prédio público para salvar o bloco. A ampliação de escala de uma agremiação com grande ativo de tradição mas de gestão limitada acaba sobrecarregando os parceiros, em especial a Prefeitura e os patrocinadores, que até aqui não souberam tratar do volume do empreendimento.

Foi bom, mas a conclusão é que tem muito o que aprender com o carnaval de Recife, que é animado, organizado, gratuito (não tem abadá nem o antipático cordão) e muito mais participativo.





Brasil tem 14 das 50 maiores obras do mundo em andamento

Esse tipo de notícia não sai na grande mídia porque não cria massa crítica de oposição. Aqui vai o link dos gráficos .


Brasil tem 14 entre 50 grandes obras em andamento no mundo

Estudo relaciona investimentos em energia e infraestrutura

O Brasil está construindo 14 de uma lista de 50 grandes obras de infraestrutura e energia em andamento no mundo. A informação consta na 14ª edição do boletim “Economia Brasileira em Perspectiva”, publicado pelo Ministério da Fazenda. Em todos os setores analisados, o País tem empreendimentos entre os dez maiores do mundo (veja gráfico).

Entre os 16 maiores projetos de investimentos em transportes, há quatro brasileiros: dois relacionados à ampliação da malha ferroviária, um ao sistema metroviário e outro à construção de rodovias pelo País. Outro destaque no setor são os portos, com a expansão em Santos e o maior empreendimento portuário da América Latina: Açu, no Rio de Janeiro. Além desses, em fase de projeto, há também os R$ 35 bilhões em investimentos previstos para a construção do trem de alta velocidade ligando Rio de Janeiro, São Paulo e Campinas.

O setor energético também é prioridade: das quinze maiores usinas elétricas, seis estão no Brasil, com destaque para a construção de Belo Monte. E os investimentos da Petrobras nas plataformas e nos navios-plataformas são destaques em Petróleo e Gás. Juntos, eles somam US$ 40 bilhões.

Carnaval e pré-candidaturas : Uma mistura proibida

Em ano eleitoral sempre há quem queira antecipar a campanha e levar vantagem sobre os que respeitam os prazos legais. São adesivos em carros tipo "Fulano vem aí", executivos do governo mandando panfletar as casas  com alguma "conquista" do gestor e seu e-mail, site, etc, faixas "agradecendo" ao prefeito, vereadores e burocratas candidatáveis, enfim, todo tipo de malandragem dos fichas-sujas para ganhar eleições na base do abuso do poder político, econômico e de campanha ilegal. Pela lei 9504/97, só é permitida a campanha a partir do dia 5 de julho do ano da eleição. Quem conseguir aparecer antes disso será fortemente beneficiado, desrespeitando a isonomia de condições de concorrência do pleito. Diz a lei:


Art. 36. A propaganda eleitoral somente é permitida após o dia 5 de julho do ano da eleição.
§ 1º Ao postulante a candidatura a cargo eletivo é permitida a realização, na quinzena anterior à escolha pelo partido, de propaganda intrapartidária com vista à indicação de seu nome, vedado o uso de rádio, televisão e outdoor.
§ 2º No segundo semestre do ano da eleição, não será veiculada a propaganda partidária gratuita prevista em lei nem permitido qualquer tipo de propaganda política paga no rádio e na televisão.


Fui a duas apresentações de blocos no Rio e, coincidentemente, os carros de som tinham a foto de algum candidatável com seu nome e algum slogan. Hoje passei por uma pessoa com uma camisa da Escola de Samba Arrastão de Cascadura onde estava estampada a foto da presidente do Flamengo, Patrícia Amorim, que será homenageada pela agremiação neste carnaval com o tema "Patricia Amorim - A majestade rubro-negra".

Coincidentemente, Patrícia foi eleita vereadora pelo PSDB e em novembro passado migrou para o PMDB, partido do prefeito Eduardo Paes e será, no mínimo, candidata à reeleição em 2012. Com tantos ídolos jogadores a homenagear, é no mínimo estranho que uma agremiação carnavalesca resolva levar às ruas a propaganda de uma dirigente do Flamengo. A Justiça Eleitoral deveria dar plantão no carnaval para evitar os abusos. 

TV paga pode ser bem mais barata

Pagamos no Brasil   tarifas das maiores do mundo em telefonia celular, em internet e TV paga (a cabo, satélite, etc). Quanto deveria custar um pacote de TV por assinatura? Hoje andando numa comunidade pacificada do Rio tive a noção de quanto pagamos a mais.

Antes das UPP, o que havia nas comunidades dominadas era o "gatonet", ou seja, a TV cujo sinal era vendido ilegalmente pelos traficantes (ou milicianos, ou ambos). Por cerca de R$ 30, o morador podia ter um pacote com praticamente todos os canais livres. Quando as UPPs foram implantadas, as provedoras de TV por assinatura eliminaram o fornecimento pirata, e passaram a oferecer pacotes a preços mais populares.

Como não existe filantropia em empresa capitalista, o valor cobrado "promocionalmente" de milhares de potenciais clientes das operadoras de TV paga não deve dar prejuízo. E mais: terminada a "promoção", o reajuste nos preços significará a perda do cliente, que não pode pagar o preço normal do pacote. As operadoras não deixam de pagar impostos, não têm menos custos na instalação dos equipamentos, então, por que a diferença de preços? Responsabilidade social? Nada disso! Podem oferecer um preço menor, ter um bom lucro e ampliar a base de clientes.

No caso da promoção da foto acima, o valor de R$ 69,90 corresponde ao pacote Essencial da Via Embratel, que no seu site é oferecido a R$ 49,90 aumentado de R$ 20 após 6 meses. Não chega aos pés do que o "gatonet" oferecia, mas as condições oferecidas às comunidades pacificadas são excepcionais. Porque não oferecer para todo mundo isso? A resposta é o sobrelucro que as pessoas pagam, já que o setor é oligopolizado, sem muita concorrência. 

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Rio : Comunidade Nova Divinéia

As favelas pacificadas estão para os cariocas como a Alemanha Oriental estava para a Alemanha Ocidental, depois da queda do muro. Um mundo novo a ver. Expulso o domínio do tráfico, aparecem as comunidades que mais lembram pequenas cidades interioranas, com patrimônios que vão das paisagens a botecos agradáveis.

Ontem subi a pé a Favela Nova Divinéia, que fica incrustada no Morro do Andaraí ao final da Rua Borda do Mato e da Rua Alfredo Pujol, no Grajaú. Surgiu em 1971 a partir de uma favela pré-existente na Borda do Mato, de onde saem os famosos cavalos e charretes que vemos na Praça Xavier de Brito, na Muda, fazendo seu cortejo pelas ruas do Grajaú pela manhã e à noite. Um exercício bem mais puxado que ficar dando voltas caminhando em praças.

Uma vez tentei subir lá de carro, e fui barrado no alto da Borda do Mato por sucatas colocadas por traficantes na pista e gente armada. Dei a volta rapidinho e fui embora. Hoje há dois contêineres de UPP no topo do morro, que fazem parte da UPP do Andaraí. Praticamente não há mais marcas do tráfico, que deve ter tido na favela um ponto estratégico pela visibilidade do movimento de veículos no Grajaú, podendo antever invasões e tirar proveito de melhores locais para atirar em quem se aproximasse.

Interessante é de lá ver uma faixa verde na encosta separando a favela e a vizinha, João Paulo II, do restante do bairro, acima da rua Raja Gabaglia. Quem olha de baixo não tem noção do que há por trás da faixa verde. Como em toda comunidade pacificada, o que se nota nas ruas é a presença de idosos, mulheres e crianças, enquanto os mais jovens trabalham fora.

Onde já passei notei que as pessoas são atenciosas com os "forasteiros", cumprimentam e dão informações sem problemas. E o termo "favela" vai se desfazendo à medida que se anda nas ruas pavimentadas e nos becos e escadarias cimentados, sem nada de barro aparente.

Casas improvisadas, até milagrosamente construídas, com TV por satélite, eletrodomésticos, e comércio variado, com muita produção dos próprios moradores. Chama a atenção a quantidade de estabelecimentos religiosos, entidades de caridade e órgãos públicos da área de ação social para uma população relativamente pequena. Além da UPP, a comunidade conta com esquema de contingência em caso de chuvas.

O destaque nas fotos é a visão lateral do cartão postal do Grajaú, o Bico do Papagaio (ou Perdido do Andaraí). Há belas vistas do Grajaú e da planície que vai até a Baía de Guanabara, com a Ponte Rio-Niterói ao fundo. No centro da comunidade, onipresente, está a Subestação do Grajaú de Furnas, que recebe as linhas de transmissão das usinas nucleares de Angra. 

Ficha Limpa : Agora vai?

Por 7 votos a 4, o Supremo Tribunal Federal considerou a Lei da Ficha Limpa constitucional, e valerá para as eleições de 2012, impedindo a candidatura de quem foi condenado em instância colegiada de tribunal ou renunciou a mandato para escapar à cassação. Isso eliminará um pouco da corja que habitualmente busca a imunidade jurídica dos cargos eletivos para fugir aos processos contra si, quase sempre por bandalheiras com dinheiro, fora os crimes comuns.

A pauta da moralidade começou bem 2012. No "front" do mensalão, o publicitário Marcos Valério foi condenado por malabarismos fiscais a mais 9 anos, embora esteja em liberdade. Faltam os peixes grandes como Zé Dirceu (PT), Eduardo Azeredo (PSDB) e outros notáveis passar pelo crivo judicial. Temos também para 2012 a CPI da Privatização, focada em grandes operadores de negócios suspeitos, como Zé Serra e Daniel Dantas. Assim como na Lei da Ficha Limpa, que foi um projeto popular que pressionou o congresso e o judiciário a fazer acontecer, a punição aos culpados pela bandalheira do Mensalão e pela roubalheira da Privataria devem ser motivo para  a mobilização popular.  

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Dilma aposta na queda de juros

O orçamento da União é uma peça de ficção : gasta-se muita saliva na elaboração, com disputas por verbas entre setores, estados, regiões, lobbies, e no final apresenta-se um conjunto de despesas e investimentos respaldados em receitas que não se saber se serão cumpridas. Aprovado no Congresso sempre no apagar das luzes do ano anterior, vai para o Planejamento para revisão e autorizações de gastos. Enquanto isso, o país fica parado, esperando porque nenhum gestor pode pagar nada, começar projetos, contratar novos gastos, etc.

Quando chega fevereiro, na melhor hipótese, vem o governo e faz cortes naquilo que nem chegou a ser feito. Desta vez foi de R$ 55 bi, afetando emendas parlamentares (moedinhas de troca na hora de comprar votos congressuais), na Saúde e em gastos correntes como viagens, etc. Preserva-se o essencial (PAC, Minha Casa, Minha Vida, Programa de Combate à Miséria, Bolsa Família) e corta-se no resto. No final do ano, conclui-se que há programas que nem saíram do papel, ministérios que não pagaram quase nada, e muita coisa fica para os tais "restos a pagar" que engordarão as despesas do ano seguinte.

Por que Dilma, pelo segundo ano consecutivo, fez cortes importantes? No ano passado a desculpa era para frear a inflação, evitando gastos que poderiam aquecer a demanda. E neste ano, que a inflação está sob controle, para que aumentar o superávit primário? Para tentar reduzir os juros de dívidas, e tentar pagar, neste ano, "apenas" R$ 138 bilhões. Fora o que se precisa para rolagem das dívidas. Mais uma vez paliativos para manter a fidelidade nos pagamentos pontuais aos banqueiros, às custas de gastos públicos necessários para a qualidade de vida da população. 

Caso Eloá : Erros da polícia não serão julgados?

Quem tem memória lembrará da desastrosa ação da PM paulista que resultou na morte da jovem Eloá, cujo assassino agora está em julgamento ocupando as principais manchetes. No seu depoimento, o negociador do GATE disse que a operação de invasão do apartamento foi deflagrada a partir da convicção de que o sequestrador iria radicalizar e matar os reféns. As imagens de TV, no entanto, mostram Lindberg com Eloá na janela por várias vezes com mais de 10 cm de cabeça exposta acima da garota, permitindo a neutralização por atirador de elite. O morto teria sido outro.

Não podemos esquecer que a PM também reenviou à cena do sequestro a amiga de Eloá, menor de idade, submetendo-a a risco a partir da idéia de que ela poderia negociar com o desequilibrado. O desfecho poderia ter sido pior, mas na época poucos criticaram e a polícia, no seu corporativismo, considerou tudo normal. Vale a pena ver de novo o vídeo de um instrutor da SWAT criticando a ação policial no Fantástico, naquela época.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Derrota de greves de policiais era previsível

Cada categoria tem sua moeda de troca, seu trunfo, na hora de fazer uma greve. Os bancários, há alguns anos, ameaçavam parar a compensação e com isso forçavam as negociações. Os carteiros usam a proximidade do Natal para ameaçar parar suas entregas. Trabalhadores das obras da Copa usarão sempre a ameaça de parar e comprometer os exíguos prazos de conclusão de obras. Todas as greves afetam a população, podem ser manipuladas pela mídia do capital, por isso os dirigentes sindicais buscam levar o movimento até o ponto ideal para a negociação.

E os policiais? Escolheram o carnaval como refém. Foram mais ainda em Salvador : decretaram que não haveria carnaval! Caixão e vela preta para eles. Podiam incendiar todas as igrejas, todos os terreiros de candomblé, todo o patrimônio histórico, ter acabado com todos os acarajés, que não teriam o repúdio como o de tentar impedir a maior festa de lá. De deixar os baianos acuados em casa, logo eles, que cultuam a liberdade. Encontraram a repressão a partir do governo federal e o governador Wagner fazendo o papel do "torturador bonzinho", ou seja, é melhor aceitarem o que ofereço senão Dilma irá detonar vocês. A mídia deitou e rolou com o aumento da criminalidade, com as armas expostas em assembléias, com o uso de carros policiais em ações de piquete, etc. Perderam a noção do perigo.

Os policiais do Rio, por sua vez, entraram na onda a reboque e de forma atabalhoada. Marcaram uma assembléia para o mesmo dia que uma liderança foi presa, sem qualquer mobilização nas suas bases. Pior : já com o movimento baiano em declínio, com a repressão crescente e esta tendo todo o apoio da mídia, que divulgou as gravações de conversas que serviram ao desmonte do movimento. Deflagraram uma greve de um segmento de 70 mil pessoas dois dias depois de aprovado pela Assembléia Legislativa um plano de reajustes reais, com apenas duas mil pessoas presentes à decisão. Botando o carnaval e as UPPs como reféns!  Previsível o fracasso: prisões por motim, fraca adesão, ódio da opinião pública, derrota. Um retrocesso que fará a PEC 300 ir para a geladeira por mais algum tempo. 

Grécia : Com submissão à "troika", não há solução para a crise

Dias interessantes os que vivemos hoje. Diante de uma Atenas incendiada por protestos contra o pacote de medidas anti-populares, do rebaixamento de notas de vários países no jogo ensaiado agências de risco / banqueiros para aumentar os juros, de PIBs em queda, até os "analistas" e urubólogos da imprensa golpista se rendem a comentários do tipo "entre mortos e feridos, até que no Brasil, por enquanto, estamos fora dessa".

Aqui e ali vozes dos países mais ricos da Europa começam a desdenhar da Grécia mesmo que esta ceda a toda a cartilha de maldades imposta pela "troika" - Comissão Européia, Banco Central Europeu e FMI. Como a dose é muito forte para povo e governo grego, querem que o trabalho sujo seja feito antes de mandarem mais qualquer centavo de euro para rolar a dívida do país. E se não rebaixarem o salário dos servidores em 10%, o salário mínimo em 20%, se não demitirem 15 mil funcionários públicos, se não entregarem à privatização todos os setores importantes que ainda estão nas mãos do estado grego, simplesmente a Grécia será descartada do euro e da Comunidade Européia, afinal, sua economia não representa mais que 2% de toda a Europa.

Esse achincalhe deveria ser visto pelos gregos com outros olhos. Depois de se destruírem com os planos em andamento, facilitarão a invasão e a pilhagem pelos capitais estrangeiros, arrematando tudo a preços vis. E continuarão com pesadas dívidas, impagáveis.

Nesse beco sem saída, os gregos deveriam ir às ruas para derrubar o governo entreguista (43 deputados governistas foram expulsos dos partidos por não votarem as medidas de austeridade), aplicar o calote aos bancos (como fez a Argentina com Kirchner), sair da camisa-de-força do euro e buscar a solidariedade internacional para dar exemplo a outros países em mesma situação de humilhação, como Portugal, Espanha, Irlanda, Itália, etc.

A mídia do capital dirá que é um absurdo isso, as agências de risco ameaçarão com rebaixamentos, os bancos ameaçarão com boicotes e mais juros, enfim, um cenário apocalíptico será desenhado para que ninguém fuja ao esquema que escraviza meio mundo, inclusive o Brasil, habitual pagador, sem questionamento, de juros abusivos que comprometem seu crescimento.

A volta à moeda nacional, o Dracma, não fará da Grécia um país pior que outros, que não usam o euro, mas permitirá a adoção de políticas cambiais diferenciadas do bloco europeu. O desalinhamento com as condições de participação no euro também dará mais flexibilidade para busca de novas soluções. Hoje a moeda unificada força a elevação de preços nos países pobres participantes, e é uma das razões da quebra das suas economias.

Um outro mundo é possível, fora da opressão do capital. Se a Grécia romper essa lógica, outros países seguirão seu rumo e um novo arranjo no capitalismo mundial terá que ser buscado para sua própria sobrevivência. Sempre haverá um banqueiro que roerá a corda para não perder tudo, e negociará com os países taxas menores, redução dos saldos devedores, alongamento do prazo de pagamento e até novos empréstimos, confirmando Lênin : sempre haverá um capitalista que venderá uma corda mesmo que seja para enforcá-lo.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Portugal : Grevistas politizam "Ai se eu te pego" contra crise

Essa nem Michel Teló esperava : Grevistas em Portugal botaram uma letra politizada na sua música " Ai se eu te pego" e saíram às ruas protestando contra a política de arrocho salarial, demissões e submissão aos banqueiros. Virou até o clipe "Ai não nos calam". Logo teremos uma versão em espanhol, pois lá agora aprovaram legislação para tornar as demissões mais baratas...

BB tem lucro recorde - R$ 12,1 bi

Poderia começar o comentário dizendo que o BB, mesmo sendo banco público e emprestando dinheiro mais barato, obteve um lucro estrondoso de R$ 12,1 bi, conseguiu crescer 3,6% sobre o lucro líquido do ano anterior, que já foi recorde, um número fabuloso comparado ao "mercado". O recorde de lucro continua com o Itaú, de mais de R$ 14 bi, aquele que demitiu recentemente mais de 4 mil bancários.

Enquanto cliente, teria a lamentar a queda da qualidade que presenciamos a cada entrada numa sala de auto-atendimento, com máquinas paradas, sem papel para impressão, falta de manutenção, coisas visíveis na política de redução de despesas operacionais a qualquer custo para impactar balanços. Chamam isso de "aumento da eficiência operacional", uma despesa adiada que um dia terá que ser feita mais cara, impactando um outro balanço quiçá numa outra gestão.

Como ex-funcionário tenho a lamentar que o grosso dessa lucratividade dos últimos anos veio de profundo arrocho salarial do funcionalismo, acontecido nos anos FHC e até agora não reposto nas negociações salariais, e de superexploração com metas abusivas.

Enquanto associado da PREVI, de onde o BB vem obtendo, na forma de anistia de passivos previdenciários com o uso da questionável Resolução 26 da CGPC, importantes recursos de superávits que seriam para os benefícios dos ex-funcionários e pensionistas, gostaria de saber qual o impacto dessa contabilização no balanço de 2011.

Mais lucro = sucateamento + superávit Previ + salários defasados + resultados reais?

Já a mídia do "mercado" preferiu destacar que o lucro líquido no último trimestre caiu 26% em relação ao mesmo período de 2010. Juntos, BB, Bradesco e Itaú somaram lucros de R$ 37,7 bi em 2011.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

China : Fim da farra da mais-valia abundante?

Interessante matéria: custos de mão-de-obra na China se elevaram tanto que há empresas norte-americanas voltando a botar suas fábricas nos EUA. Em alguns setores produtivos há falta de trabalhadores qualificados, e as reivindicações salariais dos chineses fazem os patrões cederem mais, reduzindo a mais-valia abundante que extraíam do trabalho barato. Isso não quer dizer que todas as fábricas vão migrar para fora da China, afinal, o governo racha com os patrões a exploração dos trabalhadores, e pode vir a reduzir a sua parte para manter o equiíbrio. 

Grécia : De berço a cemitério da civilização

O parlamento grego aprovou o pacote de medidas que vai sacrificar milhões de pessoas para satisfazer aos banqueiros credores do país. Redução de salário mínimo, demissão de milhares de servidores, etc. As organizações de trabalhadores chamaram greves gerais e jornadas de manifestações contra o governo, que estão sendo reprimidas com violência.

Não se trata mais de uma luta dos gregos contra o seu governos submisso aos banqueiros, mas do questionamento do papel interventor da Comunidade Européia, do Banco Central Europeu e dos governos dos países credores. O que acontecer daqui para a frente na Grécia servirá de exemplo a outros países espoliados pelo capital especulador, daí não ser descartada a possibilidade de um banho de sangue "em defesa da democracia", quando o povo tentar derrubar o governo que não o representa. 

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Fluminense : Agora vai...

Estava na padaria quando passou na TV o gol de Thiago Neves, ex-Mengão, no jogo contra o Vasco. Um torcedor tricolor bradou : "Agora vai!". O Fluminense está mal no campeonato, em quinto lugar no seu grupo que tem oito componentes. Se ganhasse, subiria para terceiro. Somente os dois primeiros de cada grupo vão para a fase final.

Não durou muito a alegria : o Vasco foi lá e meteu dois, virando o jogo. Fluzão está praticamente fora da próxima etapa, dependendo de resultados do Volta Redonda ou do Boavista. Já a torcida do trem da Supervia da Colina está no seu momento de graça, de "agora vai". Time de sofredor é dose. Antes de uma grande decepção vem sempre uma grande esperança...

Greve de PMs : Deputada do PSOL pode pagar o pato

As gravações de conversas telefônicas da deputada estadual Janira Rocha (PSOL - RJ) com o cabo bombeiro do RJ Benevenuto Daciolo, exibidas pela Rede Globo junto com as de lideranças baianas combinando atos de vandalismo, colocaram no mesmo saco o movimento baiano, que está radicalizado, com o movimento do Rio, que busca desobstruir os canais para a votação da PEC 300 na Câmara Federal.

A conversa de Janica com Daciolo não tem nada de criminosa. Tratavam de tática para mobilização em busca da aprovação da  PEC, e do melhor momento para a greve no Rio. Mesmo assim a divulgação foi usada para a prisão de Daciolo e forte pressão sobre Janira, que pode enfrentar um processo de cassação por falta de decoro parlamentar, uma barra muito forçada porque tem imunidades e principalmente legitimidade para conversar com trabalhadores. Aí vai o discurso de Janira falando da sua participação no apoio ao movimento dos PMs do Rio e contra a criminalização da sua atuação parlamentar:

"Eu gostaria de dar alguns esclarecimentos e colocar minha posição acerca da questão das escutas telefônicas, ou seja, a novelinha mexicana que foi montada pela Rede Globo e pelo governador Sergio Cabral em horário nobre para criminalizar não só a minha atuação parlamentar, mexer nas minhas garantias constitucionais como parlamentar, mas também no meu direito de cidadã e, mais do que isso, na tentativa de, com esse grande engodo, criminalizar também o movimento dos trabalhadores da segurança pública, o movimento dos policiais militares, o movimento dos bombeiros, que foi um movimento que desde o seu primeiro momento eu apoiei e quero declarar que vou continuar apoiando.

Primeiro, que o cabo Daciolo, esse que está preso lá em Bangu 1, junto com uma série de marginais, que foi preso de forma ilegal, que foi preso de forma truculenta, estava na Bahia a convite de um juiz da auditoria militar federal, dr. Barroso Filho, que é um juiz de Brasília, que esteve em contato com o cabo Daciolo e que o convidou a ir a Salvador, no sentido de fazer a ponte entre os demais trabalhadores da segurança pública que se encontravam na assembleia legislativa e dirigentes de outros sindicatos pra tentar, a partir desse contato, construir uma proposta que pudesse superar o impasse.

Houve a ida do cabo Daciolo, aconteceram várias reuniões do cabo e o juiz com figuras do governo lá, segundo informações, mas não se chegou a um acordo. E o cabo Daciolo me ligou dizendo, deputada, aqui foi apresentada… estão sendo ventiladas propostas, que são propostas que não resolvem a questão porque não garantem a anistia. Eles ventilam a possibilidade de um pagamento da gratificação que está sendo reivindicada a partir de novembro, com pagamento final até 2015, mas não aceitam em hipótese nenhuma anistia para os trabalhadores da polícia militar e em relação ao outro dirigente que era demitido, que foi demitido durante o processo de luta também, eles colocaram que por ser demitido, por não ser mais militar, era crime comum, polícia, delegacia e não teria saída. E ele  me consultou, o que é que a senhora acha? Coloquei para ele, repito aqui, repito em qualquer outro lugar, porque eu não tenho esse tipo de… eu não vou em função da pressão de alguns, da grande pressão que está sendo exercida, eu não vou aqui abandonar os meus princípios ou mentir ou me acovardar.

Eu disse a ele que eu achava que a melhor maneira dele ajudar a greve na Bahia, a fortalecer a greve na Bahia e a correlação de forças que existia lá, era ele voltar ao estado do Rio de Janeiro e organizar a categoria dele aqui, porque se a segurança pública no Brasil inteiro estivesse organizada, eles poderiam ter uma correlação de forças melhor para fazer uma negociação e garantir a anistia.

Foi exatamente isso o que eu disse, eu nao disse nada diferente do que eu venho dizendo nessa tribuna há vários dias, eu não disse nada diferente do que está escrito no site, num documento que eu construi e tá no site do meu mandato. Eu não disse nada diferente do que está nas redes sociais a partir do meu mandato.

Eu disse e reafirmo, eu sou oriunda do movimento social, eu sou uma trabalhadora, eu tenho 32 anos de militância política, eu faço parte de um setor social, aqui dentro dessa casa tem companheiros que representam, tem deputados que representam pescadores, tem deputados que representam banqueiros, tem deputados que representam a Delta, tem outros que representam a Odebrecht, a Barcas SA.

Eu represento as lutas sociais que vem a essa casa, pedir a intermediação dessa casa para resolver suas demandas. É esse o meu lado, é dessa maneira que eu ajo, eu não preciso aqui ficar me explicando no sentido de que não, não falei. Falei, sim.

Eu quero dizer mais, hoje às dezoito horas vai haver uma assembleia dos trabalhadores da segurança pública na Cinelândia e eu estarei lá. Eu estarei nessa reunião da Cinelândia. Eu não vou deixar de estar lá e deixar de apoiar a luta daqueles trabalhadores. Se eles me perguntarem qual minha opinião acerca do movimento, eu vou dar minha opinião acerca do movimento, mas quero deixar bem claro que quem decide os rumos do movimento são os trabalhadores nas suas assembleias, eu não tenho direito a voto numa assembleia da segurança pública. Agora, é óbvio, to ali junto, vou apoiar até o fim, não vou me deixar pressionar, não vou negar as lideranças do movimento, não vou negar o movimento.

Durante várias intervenções que eu fiz aqui nesse plenário ao longo dessas últimas duas semanas, me posicionei radicalmente contra qualquer tipo de ação política nessa greve que pudesse macular a população, coloquei ser contra uma greve armada, é só pegar o que foi gravado aqui nessa casa, todos os meus depoimentos nessa tribuna são gravados.

É só pegar o que eu disse em relação à necessidade de se garantir um efetivo de 30 por cento, a necessidade de não ter armas, a necessidade de se dialogar com a população. Eu estive junto do movimento dos bombeiros desde o primeiro momento, desde o primeiro momento, eu estava dentro do quartel central dos bombeiros, quem não sabe fique sabendo, eu estava lá dentro do quartel central dos bombeiros quando ele foi invadido pelo Bope atirando em crianças e mulheres que estavam lá dentro.

Eu acompanho o movimento dos bombeiros e nem por isso o movimento dos bombeiros aqui no Rio de Janeiro radicalizou. Existiam várias propostas de radicalização do movimento, que eles deixassem cadáveres na rua, que eles parassem de trabalhar na usina de Angra, que eles parassem os aeroportos. Eu já fui dentro de aeroporto fazer assembleia com bombeiro para dizer a eles que era errado fazer a paralisação do trabalho nos aeroportos porque isso ia colocar a população contra eles. Eu já conversei com trabalhadores bombeiros de dentro de usinas nucleares, dizendo que eles não podiam fazer isso porque isso afetaria a segurança da população local. Isso tá gravado aqui.

Se existir honestidade intelectual, se existir honestidade de propósito nas pessoas, elas vão ver que isso tá colocado aqui. Quero dizer que não me intimido, que não me intimido, não adianta ameaça de cassação de mandato, eu não estou presa ao mandato, eu não estou aqui para ficar presa ao mandato, a salário de mandato, a benefícios de mandato, a benesses de mandato.

Eu tenho um mandato para representar a classe social que eu escolhi para representar. Eu tenho mandato para representar trabalhadores, para representar aqueles que lá fora e aqui dentro não tem uma representação objetiva, e eu vou ficar muito orgulhosa de mim mesma se por acaso eu for cassada, se meu mandato for cassado, porque eu estava na luta com os policiais militares, com os bombeiros, com os trabalhadores da saúde, com os profissionais da educação, com os operários do Comperj, que foram várias lutas que eu fiz, várias lutas das quais, enquanto parlamentar, eu participei.

Quero dizer a vocês que se eu deixar de ser parlamentar por essa causa, essa é uma boa causa. Essa é uma boa causa, eu não posso deixar de ser parlamentar porque roubei o erário público, eu não posso deixar de ser porque sou uma corrupta, eu não posso deixar de ser parlamentar porque tenho relações escusas com empresas que prestam serviço para o estado.

Eu quero saber… aí ninguém pergunta, todo mundo defende a lei… eu vi aqui unicamente o deputado Paulo Ramos levantando essa questão… meu gabinete já mandou ao presidente da Casa e à Polícia Federal, nós queremos saber qual é essa história da gravação, da escuta telefônica. Mudou a lei agora? Pode gravar deputado? Pode gravar qualquer um agora? Se for deputado da oposição, ele pode ser gravado? Quer estado democrático de direito, mas só vale quando é para eles? Se é para a oposição que tem uma posição política diferenciada, não vale? Eu quero saber. E quero dizer mais. Eu coloco o sigilo telefônico aqui agora à disposição de quem quiser. Tudo o que eu disse para todos os bombeiros, para todos os policiais militares, para todos os trabalhadores através do meu telefone está disponibilizado para a imprensa. Eu quero saber se o governador Sergio Cabral faz o mesmo, eu quero saber se o governador Sergio Cabral vai dar o telefone dele, as ligações que faz com a Delta, que ele faz com a Odebrecht, que ele faz com as grandes empresas, com a Nissan, para a qual ele acabou de dar 6 bilhões de dólares, agora. Pode dar 6 bilhões de dólares para a Nissan mas não pode dar dinheiro para pagar os trabalhadores da segurança pública.

Eu disse e a imprensa já tá colocando, que eu honro as saias que eu visto, e é verdade, eu honro as saias que eu visto porque sei de onde eu vim, eu sei qual que é o meu passado, eu sei de onde eu vim, eu sou uma mulher trabalhadora, eu sou uma mulher que veio do subúrbio, aqui do Rio de Janeiro Eu sou uma mulher que sofreu, que a sua família sofreu durante a ditadura militar. Eu sou uma mulher que já fiz muita luta, muita greve, muita mobilização. Eu já fui colocada na lei de segurança nacional, eu já fui presa várias vezes pela minha atuação política e nao vai ser essa pressão, que está estabelecida nessa novelinha mexicana, que vai fazer eu recuar da defesa dos trabalhadores da segurança pública.

Quero dizer ao governador Sergio Cabral que se eu fosse governadora desse estado os trabalhadores da segurança pública não chegariam ao local que chegaram debaixo do seu governo. Quero dizer à população desse estado que a responsabilidade de uma eventual greve na segurança pública não é culpa do trabalhador que tá passando fome, não é culpa do trabalhador que tem que fugir dos bandidos que tão caçando policial militar fora do seu horário de trabalho, a culpa disso tudo é de quem não pensa numa política de segurança de estado, mas pensa numa segurança pública de governo, pra criar factoides como as UPPs [Unidade de Polícia Pacificadora] para poder garantir o apoio do povo na eleição de seus candidatos, na eleição de seus sucessores. Eu não vim aqui para fazer demagogia eleitoral, eu não vim aqui para ficar falando pras pessoas o que elas querem ouvir. Eu vim aqui para defender os interesses daqueles que eu acho que eu tenho de representar aqui nessa casa.

E quero dizer: se cair o meu mandato, caio com orgulho. Agradeço a solidariedade de vários parlamentares aqui nessa casa. Vários parlamentares aqui da base do governo, da oposição vieram conversar comigo, me apoiar, me dar uma força. Eu agradeço a esses companheiros, mas não tenho medo de perder o mandato. Vou ficar orgulhosa se perder o mandato, porque eu sei que não participei de nada escuso, de nada que eu vá sair daqui e não possa olhar para a cara do meu filho. Eu tenho certeza que posso chegar hoje à noite na minha casa, olhar na cara do meu filho, e dizer para ele que a mãe dele, que entrou nessa casa aqui como parlamentar vindo de baixo, continua a mesma, não se vendeu e continua honrando suas saias e continua tendo lado e esse lado é o dos trabalhadores."

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Grécia : Nem o salário mínimo escapa ao vampirismo dos bancos

O governo grego apresentou uma proposta de pacote que prevê a demissão de 15 mil servidores públicos e a redução do salário mínimo, para tentar renegociar parte da dívida com banqueiros internacionais. A redução de 20% também atinge pensões e benefícios da previdência. Pretende-se que as reformas econômicas que estão massacrando o povo grego se torne algo de estado, que não possa ser alterado por  futuros governos, o que é uma absurda capitulação de soberania. Os bancos querem sangue. 

MG : Atriz Débora Falabella usada em propaganda enganosa do governo

Na volta às aulas, os alunos da rede escolar mineira voltaram aos velhos problemas, agravados com a redução nos gastos com educação, mas tiveram que ver na TV uma propaganda do governo mineiro dizendo que tudo está uma maravilha. Os professores mineiros, diante da enganação, publicaram carta à atriz Débora Falabella, que protagonizou a propaganda, denunciando as barbaridades dos tucanos por lá. Como nada disso sai na mídia pró-Aécio, aí vai a carta dos professores.
http://www.sindutemg.org.br/novosite/files/09-02%20-%20Flyer%20-%20WEB.pdf

FANOAPÁ 0005 - Falta de noção atenua imagem de Hitler e do nazismo

A Falta de Noção que Assola o País parece desconsiderar crimes do nazismo e seu principal ícone, Adolf Hitler. Proliferam na internet vídeos de humor adaptados sempre das mesmas cenas do filme "A Queda", representando uma reunião de crise no bunker de Hitler em Berlim nos momentos finais da guerra, quando as esperanças de vitória estão perdidas. Esses filminhos são legendados com temas que vão da música "Ai se eu te pego" a brincadeiras com times de futebol, etc, inocentemente fazendo humor atenuando a imagem de uma das figuras mais execráveis da história.

Para os sem-noção de plantão, cabe relembrar que o regime genocida de Hitler, que nada tem de engraçado. Além da imensa destruição e pilhagem que executou sobre a Europa e África, matou milhões de pessoas industrialmente, em campos de concentração, extraindo fortunas em ouro com obturações tiradas de cadáveres além de usar cabelos para colchões, ossos, etc. Segue a extensão do holocausto, que apesar de associado ao extermínio de judeus, matou muito mais gente "indesejável" para os nazistas, segundo a Wikipedia:

"A partir do século XIX a palavra holocausto passou a designar grandes catástrofes e massacres, até que após a Segunda Guerra Mundial o termo Holocausto (com inicial maiúscula) foi utilizado especificamente para se referir ao extermínio de milhões de pessoas que faziam parte de grupos politicamente indesejados pelo então regime nazista fundado por Adolf Hitler. Havia judeus, militantes comunistas, homossexuais, ciganos, eslavos, deficientes motores, deficientes mentais, prisioneiros de guerra soviéticos, membros da elite intelectual polaca, russa e de outros países do Leste Europeu, além de activistas políticos, Testemunhas de Jeová, alguns sacerdotes católicos, alguns membros mórmons e sindicalistas, pacientes psiquiátricos e criminosos de delito comum.

Mais tarde, no correr do julgamento dos responsáveis por esse extermínio, o termo foi sendo aos poucos adotado somente para se referir ao massacre dos judeus durante o regime nazista.

Todos esses grupos pereceram lado a lado nos campos de concentração e de extermínio, de acordo com textos, fotografias e testemunhos de sobreviventes, além de uma extensa documentação deixada pelos próprios nazistas com o saldo de registros estatísticos de vários países sob ocupação. Hoje, já se sabe aproximadamente o número de mortes. Morreram 17 milhões de soviéticos (sendo 9,5 milhões de civis); 6 milhões de judeus; 5,5 milhões de alemães (3 milhões de civis); 4 milhões de poloneses (3 milhões de civis); 2 milhões de chineses; 1,6 milhão de iugoslavos; 1,5 milhão de japoneses; 535 000 franceses (330 000 civis); 450 000 italianos (150 000 civis); 396 000 ingleses e 292 000 soldados norte-americanos."

A falta de noção chegou às terras afegãs. Fuzileiros navais norte-americanos tiraram foto ao lado da bandeira da SS , organização paramilitar do Partido Nazista, usando-a como símbolo para abreviar "sniper scouts" (franco-atiradores). As SS eram compostas por pessoas racialmente selecionadas e fiéis ao regime. Nos EUA, como aqui, falta um bom ensino de História para que não se atenue com humor o responsável por tamanhas atrocidades.



Dilma vai botar sociedade contra policiais

Policiais e bombeiros no Rio entram em greve, mesmo tendo a Assembléia Legislativa votado um reajuste salarial. Na assembléia dos policiais, a TV Globo e a Globonews foram hostilizados porque publicaram as gravações de escutas telefônicas que levaram uma liderança do Rio a ser presa.

O governo federal vai mandar 14 mil soldados das Forças Armadas para garantir a segurança no Rio. Dilma vai reprimir o movimento, e usará a opinião pública contra os PMs, já que o Carnaval está em perigo. O problema é que os militares também podem vir a reivindicar também e aderir ao movimento, configurando uma rebelião que não interessa a ninguém. Por incrível que pareça, veremos a Rede Globo apoiando Dilma para controlar a situação. E ela poderá ir para a galera se conseguir controlar o movimento, pois o povo quer mesmo é o carnaval.

Os policiais deveriam levar isso em conta nas suas táticas, pois ao contrário do apoio que tiveram na greve dos bombeiros do Rio no ano passado, poderão ser execrados pela população se não rolar o carnaval. E se a violência campear nas ruas, como em Salvador. Podem não conquistar nada, e ainda sair antipatizados. Em Salvador rolou até faixa "Acabou o Carnaval". Falta de noção, justo onde tudo é festa. 

PEC 300 : O poder do lobby armado

Nestes dias de greves policiais há declarações políticas a favor do direito de reivindicação (discursos do gov. da Bahia, Jacques Wagner e da presidente Dilma Roussef) e contra a greve armada, que ocupa uma Assembléia Legislativa e organiza bloqueios em estradas, articulada em outros estados, com risco de tomar todo o país como refém em pleno carnaval.

Há evidentes distorções nos salários dos policiais. Enquanto no DF passam de R$ 3.000 e na Bahia são superiores a R$ 2.000, no Rio com toda a complexidade da segurança mal passam de R$ 1.000. A PEC 300 veio para tentar unificar os salários pelos mais altos, e está emperrada no congresso há anos. O principal obstáculo está nos governadores, que alegam não ter condições orçamentárias para assumir tais custos.

O que diferencia o poder de fogo de um servidor público PM de um professor, que após mais de 3 anos ainda luta pela aplicação do Lei do Piso Salarial Nacional de pouco mais de R$ 1.000?  Armas e relações com criminosos que podem ser proveitosas em caso de confronto com o poder. Em Fortaleza a greve levou às ruas um clima de "liberou geral" para os criminosos. Em Salvador, armas e viaturas foram usados pelos grevistas para intimidação, além da ocupação da sede de um dos poderes democraticamente eleitos. Se chegar ao Rio e tornar vulneráveis as UPPs, as consequências serão imprevisíveis.

Se Jacques Wagner quer dar uma de bom baiano e leva a greve na tranquilidade, o mesmo não se pode esperar da presidente Dilma, que não quer dar uma de Jango e ficar vendo um motim armado a nível nacional crescendo sem fazer nada. Já disse que não anistiará ninguém, que de movimento grevista agora há algo maior, articulado nacionalmente, afrontando a democracia,  e quer o fim do movimento. Até a Globo está preocupada com um movimento que não consegue controlar. Teve que dizer no Jornal Nacional que o líder dos grevistas preso em Salvador é do PSDB, como quem apela ao partido para segurar a onda do cara.

A greve continua em Salvador. Pode começar no Rio a qualquer hora, mas há lideranças querendo trocar o movimento pela aceleração da PEC 300 no congresso. E se não for aprovada? O que farão os policiais? E se for aprovada, como ficam os militares, que também ganham pouco? E se forem feitas concessões com a sociedade como refém, a cada evento (Rio + 20, Copa, Olimpíadas) teremos um novo episódio desse confronto, até atingir o piso pleiteado? Enquanto isso, os professores, que são os únicos que podem trabalhar para que as futuras gerações não precisem de polícia, vão ralando para ganhar uma ninharia que nem a lei garante.