sexta-feira, 29 de agosto de 2014

GOLPE : CAIXA - CARTÃO CONSTRUCARD BLOQUEADO

Esse golpe é projetado para roubar dados de eventuais usuários do Construcard da Caixa. Primeiro de tudo, bancos não mandam e-mails. Esse é o principal indício de fraude. Segundo: se fosse da Caixa porque o remetente seria "CARTÃO" e o destinatário o seu e-mail, não o seu nome completo? 

Aí vem o texto muito mal feito, com erros de pontuação, etc. O botão onde se pede para clicar leva ao link http://construcardatualizacao.com/ que não tem nada a ver com a Caixa. 

Fechando o assunto: não sou cliente da Caixa, não tenho cartão Construcard e recebi isto. Nunca preencha cadastros a não ser que esteja fazendo uma compra em site confiável. 



quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Por que continuo acreditando em chances de Dilma no primeiro turno.

Programa do PSB assusta potenciaisneo-marinistas mais ideológicos
A única pesquisa eleitoral verdadeira é a urna. Mesmo assim já se tentou fraudar até essa estatística, se nos lembrarmos no caso da eleição de Brizola para o governo do Rio em 1982 que ia sendo tomada na mão grande por manipulação de dados da empresa totalizadora Procunsult associada à Globo.

Morto Eduardo Campos, o Datafolha imediatamente correu para fazer sua pesquisa antes do enterro do corpo. Essa pesquisa de "boca de túmulo" com dados coletados antes do megaevento político do enterro apurou que Marina, ainda não oficializada candidata, estaria empatada com Aécio a partir da conversão emocional de votos de indecisos. Junto com Eduardo tinha 9%, e depois da morte dele foi a 21%, segundo o Datafolha, já tangida pela superexposição de mídia. 

Nessa pesquisa Dilma e Aécio pareciam não ter perdido nenhum voto, ou seja, aparentemente havia pessoas que embalaram na onda do "não vamos desistir do Brasil" que depois ganhou  contornos de "nova política", "governo de unidade com os bons de todas as forças" e "Marina voz do povo das ruas em 2013". 

Por algum interesse que até agora desconhecemos a pesquisa Ibope carregou na mão tirando pontos de Dilma e Aécio, lançando Marina 20% acima do que tinha enquanto Eduardo era vivo. E jogou Aécio no inferno, o que não passava pelos planos de nenhuma mídia que pretendia apenas manipular a emoção com a morte de Eduardo para fazer Marina crescer e ficar abaixo de Aécio. Como fizeram com a "onda verde" em 2010, levando Marina de 9% a 18% e levando Serra ao segundo turno contra Dilma. 

As próximas pesquisas poderão vir eivadas de interesses e ter resultados tendenciosos, mas aferirão se Marina ainda tem combustível para subir mais ou se a partir de agora será erodida por desconstrução tanto da mídia que a projetou como das militâncias de todos os demais candidatos. Quando se pretende se colocar como virgem impoluta e perfumada (pela Natura) no bordel da política (todos os demais, na sua visão), não tendo tais atributos de intocabilidade, torna-se vulnerável aos contra-exemplos, que já são variados. 

O crime eleitoral com o avião de campanha, as alianças com setores reacionários, as contradições na chapa com vice ligado ao agronegócio e transgênicos, a nítida ligação com o Banco Itaú, a defesa de proposta como a autonomia do Banco Central para alegria dos banqueiros e especuladores são assuntos que vão ser martelados incansavelmente nas mídias. Além da dificuldade de se fazer crível como gestora de um país gigantesco diante do seu histórico mediano como ministra. 

Por tudo isso Marina tenderá a cair. Pessoas que votavam envergonhadas em Aécio migraram para agora serem militantes marinistas e que ao perceberem que não difere muito dos demais, que não é nenhuma novidade e ainda agrega valores mais reacionários por ideologia religiosa, caso se decepcionem, podem não retornar mais ao eleitorado do Aécio. A constatação seria "ninguém presta, vou anular o voto". 

No segundo turno, se houver,  os campos de classe ficarão mais nítidos. 
Aécio já deve estar entre 15 e 20% de preferência. Marina não vai se sustentar sem se expor demais como candidata apoiada pelos ricos contrastando com o discurso de Dilma focado nos mais pobres e exibido didaticamente nos programas de TV. Caso Marina recue e Aécio não cresça, como Dilma crescendo por conta do volume de campanha do PT e dos bons programas eleitorais, podemos chegar a um cenário de Dilma com algo em torno de 40% e Marina e Aécio totalizando uns 35%. É possível? Sim, é. É provável? Caso se dê a queda de Marina, abre-se essa possibilidade, que hoje é quase impossível diante dos números dos quais não temos nenhuma certeza. Aposto nisso. 

E se der segundo turno, Marina já ganhou? Aí é uma outra eleição. O discurso eleitoreiro e demagógico de Marina como "terceira via" ou "nova política" não se sustentará quando tiver apoio dos grandes meios de comunicação e do que há de pior na política brasileira. 


Muitos dos seus eleitores que hoje vão na onda, na moda, enxergarão que a disputa real se dará entre a continuidade do projeto de Lula e Dilma e o retorno aos anos FHC. Isso hoje não é detetado nas pesquisas de segundo turno, onde os apoiadores não estão claros para quem der sua opinião. 

GOLPE : "BRADESCO - Conta corrente / Poupança bloqueada

Recebo esse tipo de mensagem mais de uma vez ao dia. Como saber se é golpe? De cara, vendo seu e-mail como "de" e "para" pode deletar. Além do mais bancos não mandam e-mails aos clientes. Se ler o texto então fica mais claro ainda que não foi feito por profissionais bancários. 

Em "atualizar dados" está oculto o link  abaixo , que não tem nada a ver com o Bradesco. 
http://www.confesercentiravenna.it/new/components/com_poll/views/gerty.php . Não cliquei mas deve abrir um formulário de cadastro para o incauto preencher com seus dados que serão usados para golpes. Ou simplesmente jogar no seu computador um vírus. 

Caso tenha clicado passe imediatamente um anti-vírus atualizado e depois troque suas senhas que tenha usado no período desde o clique fatal. 

Detalhe final: não sou cliente Bradesco. Aí vai a imagem do golpe. 






quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Esqueçam Marina!

A overdose de emocionalismo nos três dias que se sucederam à morte do candidato Eduardo Campos levou o país à instantânea "revelação" de ter perdido o melhor presidente que o Brasil poderia ter em todos os tempos. Pelo menos essa foi a mensagem passada e apropriada competentemente pela campanha de Marina Silva, que o sucedeu capitalizando sua "viuvez". O fato é que no velório o morto era dispensável, o importante era a exposição pela mídia de muita gente que até se esqueceu de onde estava e distribuiu sorrisos e fez selfies como se fosse uma festinha.

O fato é que se alguém queria fazer Marina crescer alguns pontos nas pesquisas para viabilizar o segundo turno, conseguiu. Só que errou na mão: pode ter crescido mais que o necessário para colocar Aécio Neves no segundo turno, não ela, contra Dilma. A mídia criou um monstro que agora vai tentar desconstruir, sem ter certeza de sucesso. A simples ascensão de Marina acima de Aécio começou a desestabilizar a campanha tucana com a migração dos eleitores que só querem saber de destruir PT, Lula, Dilma, pobre, bolsa-família, o escambau. Para eles pouco importa quem será o instrumento do seu ódio, Aécio, Marina ou outro. Farão voto útil.

A campanha de Aécio tentou reagir da pior forma possível: descaracterizando o candidato com propostas demagógicas para o seu até então perfil, validando os programas sociais que até dias antes condenava e prometendo até ampliá-los. Isso gerou mais desconfianças entre os setores de direita que o apóiam, pois representa uma guinada à esquerda, a adesão aos projetos sociais de Lula e Dilma, incompatíveis com o discurso de estado mínimo e de opção pelos ricos.

No debate de ontem na Band ficou patente que Marina não cresceu por méritos programáticos, pois sua confusa tática tenta colocá-la como algo diferente, a "nova política", condenando o PT e o PSDB. Contraditoriamente, elogia os feitos de FHC e Lula e quer governar com gente de ambos os partidos. Depois falou que faltam elites no Brasil, que não vai lotear ministérios, que não é importante ter gerente mas sim estrategista, declarações que aos ouvidos mais razoáveis parecem não fazer sentido.

O fato é que Marina fez estrago do lado de quem deveria favorecer. Seu "alter ego" Neca Setúbal fala por ela ao "mercado" (bando formado por especuladores, banqueiros e outros parasitas da economia), que gostou do que ouviu da sócia do Banco Itaú. Isso tira patrocinadores de Aécio, e aí o problema fica mais grave. Para alguns que vão migrar para Marina pouco importa se o seu governo será viável, mas se o Banco Central vai ficar independente de qualquer ingerência de qualquer governo, constituindo-se no Olimpo dos deuses do dinheiro fácil.

Hoje Marina vai ao Jornal Nacional ser interrogada pelo truculento Bonner e sua auxiliar Patrícia. A Globo foi uma das principais responsáveis pela overdose de emoções que alavancou Marina. Poderia não tê-la convidado, mas no momento do convite ainda não se tinha certeza do tamanho a que chegaria nas pesquisas. Agora vão dar-lhe 15 minutos de exposição. Se baterem muito podem "martirizá-la". Se baterem pouco podem "promovê-la".

O melhor para Aécio seria a Globo repetir com Marina o que há anos faz com Lula e Dilma: ou não fala neles, ou fala mal, no menor espaço de tempo possível para evitar exposição. Quem criou a "onda Marina" pode descriá-la mais facilmente deixando o declínio de memória política fazer seu trabalho. Quem sabe o nome dos participantes do Big Brother duas semanas depois?

Para quem apoia Dilma o melhor também é esquecer Marina e promover Dilma e Lula. O programa de TV ajuda a mostrar tudo o que foi feito e surpreender gente que não sabia do nexo entre o benefício e seus criadores. Dilma tende a crescer, afinal, na pesquisa espontânea do IBOPE aparece com 45% de preferência, seu governo tem 38% de conceito ótimo/bom mas, estranhamente, as pesquisas lhe dão 34% de eleitorado e insinuam que Marina comeu uma parte dos seus votos. Muito, muito estranho.


A "onda Marina" pode ter chegado ao pico. Se é verdade o que o IBOPE diz ela só pode crescer agora com votos roubados de Aécio, que está no mesmo campo político de direita. Para chegar aos 29% o IBOPE fez os candidatos "nanicos" praticamente ficarem sem votos, e esvaziou a prateleira dos indecisos e dos anuladores. O melhor é deixar a onda se esvaziar na praia, já que o eleitor potencial de Marina é inorgânico, não tem partido. Esqueçam Marina!

terça-feira, 26 de agosto de 2014

GOLPE : "Itaú - Pendência de Sincronismo - Correção"

Uma pessoa pouco familiarizada com meios e golpes eletrônicos cai nessa fácil. Sequer sabe o que venha a ser "sincronização do seu Itoken/Tabela de segurança" mas quer evitar o bloqueio de acesso aos caixas eletrônicos do Itaú e ao banco via internet. E clica numa boa, instalando o vírus que depois lhe roubará os dados.

Ao clicar "iniciar sincronismo" ou em qualquer outra parte da área da figura o usuário é redirecionado para um site usado como biombo pelos golpistas:
http://sierakowski.eu/includes/PEAR/-/?5L27BTPN3FW9A1CYZZNIZ6002VOQCQENJCCSE9G7K3HI30Q1FUQ6DTCR6PJRW8Q26STY38254HU35JDA8XAI97QGCTB484QDE56

Por que o remetente não seria o próprio Itaú? Simples: bancos não mandam e-mails para clientes, segundo a Federação Nacional dos Bancos.

Como eu tenho absoluta certeza de que é golpe? Mais simples ainda: não sou cliente do Itaú.



segunda-feira, 25 de agosto de 2014

GOLPE : "Bradesco - Notificação de devolução de cheque"

Esse é o tipo de golpe que desperta a curiosidade para algo absurdo e por isso mesmo a pessoa inocente se vê obrigada a clicar para ver o que é. O que não falta hoje é gente paranóica que faz tudo certinho e por isso fica indignada com a possibilidade de ter algo contra si e não estar sabendo. 

Os criminosos que montaram esse golpe colocaram uma figura praticamente ilegível e estimulam o curioso incauto a clicar na foto para baixá-la. Ao fazer isso, clicando em qualquer lugar na área da figura, o link 
http://devolucao-cheque.info/bradesco-cheque/bra1.php?pm=#ID# instalará algum vírus com o objetivo de roubar seus dados. 

Não sou cliente Bradesco, por isso percebi logo que se tratava de golpe. Para quem é cliente a coisa pode ser mais complicada, mas há uma característica fácil de identificar o golpe, quando o "DE" e o "PARA" do cabeçalho são iguais ao seu próprio e-mail. Botaram até o nome da SERASA no meio como se fosse um cartório cobrando devolução para dar mais credibilidade. 

Caso tenha clicado limpe sua máquina urgente com anti-vírus atualizado e troque eventuais senhas que tenha usado no período com a máquina desinfectada. Torça para ter evitado o roubo de algo e nunca mais clique em nada de banco, Serasa, cobrança, etc. Segue a imagem da mensagem:

domingo, 24 de agosto de 2014

GOLPE : "Novidade Troque seus pontos no Cielo Fidelidade"

Fraude a partir de página falsa para roubar dados cadastrais de pessoas ambiciosas por um bom prêmio. . O link desvia para a página
http://promocaorelampagocielo.pagina-oficial.com/fernando.xxxxxxxxxxxxcom.br-22314-%C3%9ATA-17:16-cadastre-se , que não tem nada a ver com a CIELO. (os xxx acima são meus - eles colocam seu e-mail no endereço do cadastro deles). NÃO ENVIE NENHUM DADO.


sábado, 23 de agosto de 2014

EURÁSIA 2014 - 005 - Dificuldades para fechar o roteiro da viagem

Nos posts anteriores falamos das dificuldades de conexões entre os países do plano de viagem, das suas conjunturas políticas e potenciais riscos. Mas acima disso estão as culturas, as belezas, os povos que podemos conhecer e nos levam a superar os obstáculos para conseguir fazer a viagem.

Chegamos ao roteiro Turquia / Irã / Azerbaijão / Geórgia / Armênia / Sul da Rússia / Ucrânia / Turquia. A princípio o plano para 50 dias passou a 60 e ao final, 65 dias, assustador para nós que viajamos no máximo 47 dias anteriormente e conhecemos os problemas do prolongamento do prazo. Muito a ver com o nosso estilo de procurar conhecer ao máximo dentro do tempo designado.

Bater o martelo foi difícil. Ficamos inseguros até na hora de comprar a passagem aérea ontem no trecho que amarra o tamanho na viagem: a ida e volta para Istambul englobando esse período inédito. Perdemos mais tempo vendo as condições para eventual modificação na data de volta que para adquiri-la, por sinal, numa promoção muito boa da Turkish Airlines. Trecho SP/Istambul/SP por US$ 999 em vôo direto de 12,5h.

O tempo de viagem cresceu porque há muita coisa interessante. A princípio alocamos 8 noites para o Irã e 12 para a Turquia. Agora são 16 para o Irã e 23 para a Turquia, ou seja, 60% da viagem em dois países. O determinante para esses prazos (e para a estruturação da viagem) foi a decisão de não dirigirmos muito no Irã e fazermos o percurso em excursão guiada de 12 dias abrangendo praticamente todas as cidades que gostaríamos de ir: Shiraz, Yazd, Isfahan, Kashan, Qom, Abianeh e passando pelas ruínas de Persépolis e Pasárgada. Considerado o conteúdo do pacote, que inclui passagem aérea doméstica, café e almoço, guia em inglês, todos os transportes e hotéis de boa qualidade, os 890 euros por pessoa valem a pena. Ainda deixamos uns dias para Teerã e até para arriscar um passeio de um dia a Ramsar, no litoral do Mar Cáspio.

Na Turquia o roteiro é meio kamikase, mas vamos estar começando a viagem e dá para encarar uma média de 230 km rodados por dia em trechos máximos de 500 km. O ideal seria ter mais gente dirigindo, mas preferimos ficar só dois mesmo porque já temos nosso esquema eficiente. Praticamente dormiremos uma noite em cada cidade diferente, e isso exige muita rapidez no check in / check out dos hotéis, hostéis e flats. A cada viagem aprimoramos isso e destinamos mais tempo útil às atividades. Se a gente andar com outras pessoas fora do esquema certamente vai se aborrecer. Não tem tempo prá piscina de hotel, refeição demorada, dormir muito, ficar na praia muito tempo, etc.

Fizemos 4 roteiros, do mais tranquilo ao mais estressado. Nesta versão dormiremos em Bursa, Ankara (2), Goreme (2), Konya, Alanya, Antalya, Kas, Fethiye (2), Pamukkale, Bodrum, Kusadasi, Izmir, Canekkale e Edirne. Entre e nessas cidades há muitas atrações que classificamos como mais ou menos essenciais que vão ser visitadas de acordo com as necessidades de tempo. Konya, Alanya, Kas e Bodrum podem ser apenas passagens caso gastemos mais tempo em outros lugares mais importantes.

Como o roteiro na Turquia é flexível, tipo "se der na telha a gente passa os 23 dias em Istambul ou só vai às maiores atrações em Ankara, Capadócia e região de Izmir, que é onde todo mundo vai, ou vai prá Grécia se não gostar", mas obrigatoriamente temos que chegar a Teerâ na data do passeio e este é todo sem fazermos esforço, o esperado é chegarmos aos 40 dias de viagem mais ou menos descansados para a parte final, onde as conexões ficam mais complicadas. Até o Azerbaijão vai bem. Na Geórgia tem até aventura em estradas daquelas que a gente se arrepia ao ver nos filmes, bem estreitas com abismos. Na Armênia parece mais tranquilo, mas tem a viagem de Tblisi a Erevan de van que deve ser aventura também.

O que vem depois é o imponderável, imprevisível: sul da Rússia a poucos quilômetros da fronteira com a Ucrânia para visitar Rostov on Don. Se houver guerra entre os dois países ali será o primeiro foco. Sair dali para Kiev também pode ser inviabilizado pela atual rota via Moscou. Em caso de guerra a gente sai direto de Erevan para Istambul e arranja o que fazer com as 7 noites que sobrarão. Romênia, talvez.

O maior desafio será executar esse projeto em 65 dias com um orçamento onde mal cabiam 50 dias. Como nossa regra é gastar apenas o que poupamos sem deixar dívidas pós-viagem, algo vai ter que baratear, principalmente os hotéis.

Foi difícil mas fechamos o roteiro. Compramos os euros antes que o ambiente eleitoral cause rebuliços no câmbio para cima, o que é muito provável com a especulação em setembro. Agora é pedir vistos (Irã e Azerbaijão), ver hotéis e principalmente dar uma passada mais cuidadosa em todo o roteiro para otimizar o tempo. E tome leitura de história, pesquisas em sites, tentar aprender algumas palavras nessa línguas e decifrar alfabetos. Até o dia da viagem começar vai ser muito trabalho.

posts anteriores:
http://www.blogdobranquinho.blogspot.com.br/2014/08/eurasia-2014-004-estudando-russia-e.html
http://www.blogdobranquinho.blogspot.com.br/2014/08/eurasia-2014-003-viajando-no-tempo-na.html
http://www.blogdobranquinho.blogspot.com.br/2014/08/eurasia-2014-002-estudando-o-roteiro-da.html
http://www.blogdobranquinho.blogspot.com.br/2014/08/eurasia-2014-001-estudando-o-ira.html
http://www.blogdobranquinho.blogspot.com.br/2014/08/eurasia-2014-000-projetando-viagem.html


sexta-feira, 22 de agosto de 2014

GOLPE : "CTI Online - Você está sendo intimado para comparecimento em audiência"

Chamo esse tipo de golpe de "Processo de Kafka". O Processo é um romance do escritor checo Franz Kafka, que conta a história de Josef K., personagem que acorda certa manhã, e, sem motivos conhecidos, é preso e sujeito a longo e incompreensível processo por um crime não revelado. (Wikipedia).

Desperta a curiosidade para algo absurdo e por isso mesmo a pessoa inocente se vê obrigada a clicar para ver o que é. O que não falta hoje é gente paranóica com a espionagem e censura pela internet e acha possível, por exemplo, um tal Centro de Tecnologia da Inflação mandar uma mensagem onde o chama de "cidadão" e coloca o seu e-mail. Nem o  nome da pessoa tem. Mesmo com essa fragrante cara de golpe, alguns vão adiante e clicam no "Veja_Aqui_SuaIntimacaoAgosto2014.zip". Esse link encaminha para o site http://www.thegreencenter.org/modules/mod_archive/st/?Veja_Aqui_SuaIntimacao24129_082014=fernando.xxxxxxxxxxxxxxxxcom.br (os xxx são meus).

Que diabos "thegreencenter" tem a ver com a PT? É um site usado apenas como desvio para o caminho verdadeiro onde certamente haverá um vírus pronto para ser instalado ao ser clicado. 

Caso tenha feito essa bobagem de clicar não perca tempo se odiando ou auto-flagelando. Passe urgente um anti-vírus atualizado e depois mude alguma senha que tenha sido usada no período com a máquina limpa. Segue a imagem do e-mail do golpe:
---------------------------------------------------------------------------------------------------------

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

GOLPE: "Conta de poupança Bradesco suspensa"

Regra básica para detetar golpe: BANCOS NÃO MANDAM E-MAILS. A orientação é da Federação Brasileira dos Bancos - FEBRABAN. Outra dica fundamental: se o "de" e "para" do e-mail forem o seu e-mail, golpe na certa.

Há duas grandes famílias de golpes por e-mails: as que pedem para você preencher um cadastro com seus dados, até senhas (que serão usados por criminosos) e os que te obrigam a um "clique aqui para ver mais coisas", que instala vírus que podem mandar seus dados para ladrões mexerem suas contas, etc.

Outra dica: jamais uma empresa que tem logomarca nas suas propagandas faria uma propaganda sem ela, como no caso botaram Bradesco em letras normais.

Mais uma: Falta de concordância no texto, erros crassos de pontuação, falta de sentido no corpo da mensagem, etc. Exemplos: "Sinto informa(r) ..." ou  "endereço solicitado (a)baixo".

O link indicado para "atualizar seus dados", apesar de ter o nome Bradesco, é uma máscara para o link http://tourbinhchauhococ.com/cache/mod_custom/df.phpm que é de um site que não tem nada a ver com o banco.

Se tiver clicado qualquer coisa, use um antivírus atualizado urgente. Se tiver passado dados como senhas, mude-as assim que a máquina for descontaminada. Segue o print do golpe.



quarta-feira, 20 de agosto de 2014

YOUTROUXA 0118 : "Dilma disse ao JN que médicos cubanos atendem 50 milhões de pessoas por dia"

Há um perfil no Facebook nominado "ORDEM DOS MÉDICOS DO BRASIL" que entre outras características combate os médicos cubanos e o programa Mais Médicos. Tem 5808 membros. Apóia Ronaldo Caiado. Se fosse uma Ordem similar à OAB seria uma autarquia e aí o problema seria outro. Pelo visto só tem o nome, não a estrutura formal de Ordem. Até aí vai o direito à livre organização.

O problema é quando exageram no ódio político e começam a inventar coisas que depõem contra a imagem do corpo médico. O texto abaixo, já rebatido por diversas pessoas, mente ao dizer que a presidente Dilma Roussef, em entrevista ao Jornal Nacional, "afirma que cada cubano atende 4000 pacientes por dia". Quem vir o vídeo da entrevista a partir de 9:30 minutos não encontrará tal afirmação. A presidente afirmou que a cobertura médica no Brasil é muito baixa, não chega a 2 médicos por mil habitantes e que contratou 14.462 médicos para minorar esse problema. Segundo ela, os dados da OMS dizem que esse número corresponde à capacidade de atendimento de 50 milhões de pessoas. Ou seja, essa é a clientela em potencial, não os que foram atendidos.

Aí vem a manipulação político-eleitoreira através da difamação sobre o Mais Médicos, que chamam de "eleitoreiro e falso". Partindo da manipulação das palavras da presidente, que evidentemente os que a odeiam não se darão ao trabalho de conferir, afirma que "Dilma no ápice da entrevista ao Jornal Nacional disse que 14000 cubanos atendem 50 milhões de pessoas diariamente. É isso mesmo, caro leitor, cada cubano atende cerca de 4 mil pessoas por dia"...

Como é que um site que se diz ser organização de médicos publica uma falsidade dessas apenas para atingir um programa que hoje permite que muitas pessoas tenham assistência básica e ferir a dignidade da presidente Dilma? Qualquer pessoa de bom senso enxerga isso como má-fé usando o bom nome da categoria médica para fins políticos. E um bando de trouxas reproduz isso sem parar para pensar no absurdo sem o filtro do ódio.



Razões para acreditar na vitória de Dilma em 2014

Numa eleição três fatores combinados fazem o sucesso: bons candidatos, bons apoiadores e a capacidade de ambos conseguirem bons eleitores-apoiadores. Aécio fala bem, é jovem, mas facilmente enquadrável como "bon vivant", que nunca trabalhou no pesado, teve tudo de bandeja, etc. Seus apoiadores mais graúdos não agregam valor. FHC, Serra, Alckmin talvez sirvam mais como alvos auxiliares no bombardeio dos adversários associando-os negativamente.

Quanto a eleitores-apoiadores o que se vê é, no geral, os coerentes com a idéia liberal, o Consenso de Washington e um elenco de idéias conservadoras, que fazem defesas políticas sérias do candidato à luz da ideologia que defendem. São os 1% que não têm votos mas comandam a grande mídia.

Dilma tem histórico de vida política e pessoal louvável
E há os do oba-oba, os provocadores que não apóiam de fato o candidato, mas são contra outros e migram facilmente para outra candidatura que melhor realize seu desejo de destruir "o inimigo" e/ou dar-lhes a sinecura prometida, pouco importando se será prejudicado pelo seu "eleito" em seguida.

Pessoas de bom  referencial como apoiadores são muito importantes na formação de opinião positiva, daí a disputa por artistas e famosos. Ter um Lobão ou Roger ou globais sem noção como apoiadores não é o mesmo que ter um Chico Buarque. Ter identificação como queridinho da mídia bandida também não ajuda muito quando a tendência é de perda de audiência dos meios de comunicação em descrédito.

Dilma não é uma candidata perfeita. Sua expressão facial não consegue disfarçar a contrariedade em momentos onde a falsidade seria o indicado. Não tem jogo de cintura e não sabe atacar ou reagir com sutilezas. Mas passa uma imagem séria, de mãezona, de professora rigorosa, de gerentona, o que traz credibilidade. Tem um histórico de lutas e trabalho mais técnico que político. A ela nenhum vício ou conduta desonesta é associado. O jeito durão contrasta, por exemplo, com a imagem vacilante de Marina ou falsa de Aécio.

Ter Lula como apoiador, uma pessoa que teve quase 90% de aceitação ao final do seu mandato e elegeu sucessora é muito superior a ter um FHC odiado ao fim do mandato a ponto de perder a eleição do sucessor mesmo se apropriando do Plano Real, que nas suas mãos quebrou 3 vezes. Para milhões de pessoas / eleitores Lula é "o cara". Consegue dialogar com uma camada da população inatingível até para Dilma. Agrega muito valor.

A associação aos apoios pode fazer a diferença
Por fim, o eleitor-apoiador, o militante espontâneo, não partidário. O que reconhece virtudes que precisam vencer na disputa bem x mal. O que vê em 11 anos de realizações que trouxeram felicidade a muita gente como algo a continuar. E por esse sentimento se colocam à disposição de propagar as coisas boas da sua candidata e comparar com as coisas ruins dos seus adversários. Não são movidos por ódio. Pelo contrário, são pessoas com elevado senso de justiça, que amam ao próximo e não querem benefícios apenas para si. Esses são os apoiadores de Dilma, que não recebem qualquer centavo para fazer campanha, elogiam o que há de bom, criticam o que há de ruim mas não abrem mão de continuar no rumo que acham o mais certo.

Aí é que o Aécio perde. Seus eleitores não-ideológicos são raivosos. Espalham a mentira e o ódio que, quando percebidos pelos demais eleitores, voltam-se contra o candidato. Não têm como falar de algo positivo do seu candidato, apenas acentuam algo negativo do adversário. Tornam-se antipáticos à medida que se percebe o seu egoísmo, a crueldade em relação aos pobres e excluídos, a intenção de fazer prevalecer privilégios.

Marina também tem problemas de expressão, associa sua imagem a uma luta que para muitos é importante mas que não deve atrapalhar o progresso que, no fundo, é o que o eleitor quer. Do egoísmo do benefício imediato que pode auferir no candidato como uma sinecura prometida aos mais elevados ideais dos que não aceitam que a grande maioria fique fora das conquistas básicas como alimentação, energia e consumo de bens essenciais.

Campanha dos apoiadores de Aécio contra Marina e Dilma
Marina tem apoiadores de qualidade, principalmente técnicos identificados com a luta ambiental. E tem os que trazem recursos mas criam antipatia como o Itaú, que é um banco, algo que no imaginário popular é negativo. Essa relação não se limita a doar recursos como todas as empresas fazem a todos os candidatos de maior viabilidade. Entra na composição do discurso econômico contrabandeando as idéias do capitalismo mais devastador.

No quesito eleitores-apoiadores Marina está melhor que Aécio e pior que Dilma. O eleitorado de Dilma é consolidado, aguenta firme o fogo pesado da mídia e da oposição, não pula do barco com facilidade. O de Aécio vai começar a pular do barco a partir da ilusão de Marina derrotar Dilma, que é o que lhes interessa sem olhar para as consequências. E o de Marina, muito focado na juventude com vivência em redes sociais e incipiência política mais geral, também é imbuído de valores positivos relacionados à vida e ao ambiente, por isso mesmo sensível a deixar o barco caso a guinada da candidata à direita seja comprometedora do que defendem. Esses são os potenciais anuladores de votos. E agora chegou a galera do oba-oba, em especial os coxinhas da direita que pouco ligam para meio-ambiente, só querem saber de derrotar Dilma. Os desertores do Aécio podem na campanha tirar votos do núcleo mais coerente de apoio a Marina.

No contraste de realizações Dilma supera em tudo. 
 Aécio não está morto e seu comitê sabe disso. Passada a euforia da "novidade" Marina e passando uns dias onde as contradições se explicitarão, sabem que as coisas não ficarão tão fáceis para ela. A campanha de Dilma tem condições de avançar sem sequer bater em Aécio ou Marina, apenas afirmando realizações e mostrando os riscos da volta ao passado obscuro. Aécio e Marina lutam pela vaga e sabem que não adianta atirar mais em Dilma que tem um eleitorado fixo que tende a crescer com o horário eleitoral. Vão ter que bater nela para ter segundo turno, mas dividindo forças para ser o opositor caso aconteça.


A luta agora é pela redivisão de um eleitorado que era de Aécio e Eduardo associado aos que estavam indecisos. Dependendo do desempenho de Marina as insatisfações do PSB poderão levar insatisfeitos a apoiar Dilma por não aceitarem discursos e alianças à direita. Os militantes do ainda inexistente partido Rede, que se animaram com a ascensão de Marina, também não se sentem confortáveis com palanques com tucanos e propostas neoliberais. A campanha pode afastá-los da militância mais aguerrida. Na campanha de Aécio o desespero é grande, pois o candidato havia empacado nos 21% e agora vai cair ao perder votos para Marina. Vão ser implacáveis com ela, correndo o risco de martirizá-la, o que será muito pior.

Apoiadores de Aécio vertendo o ódio ao PT em cima de Marina
 Entre os recursos de campanha de Aécio está cada vez mais escancaradamente a Rede Globo. Já se propuseram a levar Marina para o interrogatório do JN para ser linchada, como tentaram fazer com Dilma. Acho que têm mais a perder que ganhar com isso. Se partem para acusações sem dar chance de resposta martirizam a candidata que sai como vítima. Se são bonzinhos com ela, como foram com Aécio e Eduardo, parece coisa de compadres e levanta a suspeita de terem bandeado para Marina, como alguns expoentes da Globo já insinuam. Aécio sem a Globo é caixão e vela preta. Marina com o apoio da Globo, como aconteceu em 2010 com a "onda verde", pode ser segundo turno. Como a Globo entende que um eventual governo Marina seria uma feira de lobbies, navegando ao sabor das forças mais influentes, teria chance de sobrevida, mesmo com Aécio sendo o seu candidato mais firme.

Nossa, escreviu um tijolaço. Tudo isso para dizer que confio plenamente na vitória de Dilma, tanto pela sua pessoa, pelos apoios e eleitores-apoiadores militantes. Ousaria dizer: no primeiro turno! Mas, se houver o segundo turno, também levará de qualquer que seja o opositor porque tem bem mais consistência e credibilidade.

Sugiro que a coordenação da campanha de Dilma não agende sua ida a programas de entrevistas de TV ou debates. Todos serão formatados para torturá-la, linchá-la e estuprá-la das maneiras mais vis possíveis. E ainda fica dando audiência para programa ruim.


domingo, 17 de agosto de 2014

GOLPE : Aviso de denúncia de imagem imprópria no Facebook

Por que loucura o Facebook iria mandar recado a um dos seus usuários por e-mail, se tem seu próprio canal de comunicação? Essa é a primeira coisa que uma pessoa com noção pergunta ao receber a mensagem da figura. No texto da mensagem há indicativos como o "fw", ou seja,  o Facebook teria repassado essa mensagem de alguém?

Texto da mensagem com caracteres estranhos, sem acentuação nas palavras, com uma imagem enigmática que convida o incauto a um clique nela ou no link do arquivo "imagem_0877652.jpg", que encaminha para
http://autoz.in.ua/files/servic/img_56/59.jpg, um site na Ucrânia (.ua) que não tem nada a ver com nada. A mensagem também aguça a curiosidade dizendo que o perfil do denunciante está junto com a foto, ou seja, "quem será que me denunciou", mesmo que não tenha feito nada de mais no seu perfil.

Caso tenha clicado poderá ter instalado algum vírus. Passe um anti-virus atualizado em toda a máquina e verifique se usou senhas desde que clicou para trocá-las com a máquina desinfectada.

sábado, 16 de agosto de 2014

A quem interessaria um "atentado" contra Eduardo Campos?

Seguindo o ritual midiático-oposicionista de a tudo atribuir culpa ao PT, o acidente que matou Eduardo Campos só poderia ser culpa da Dilma, como várias insinuações que foram feitas por Olavo de Carvalho, da VEJA e outros do submundo da internet. Para esse tipo de gente, que também se expressou na internet, quem deveria ter morrido era a Dilma.

Já não escondem mais que querem tirá-la do governo sem qualquer limite moral, ético, democrático, enfim, querem pôr fim não apenas à pessoa, ao partido e seus aliados, como Lula, mas a todo o projeto que elevou as condições de vida de milhões de brasileiros e trazer de volta a grande sangria do capital. São uma espécie de "ISIS", uma gangue de radicais, mercenários, em busca do saque de riquezas nem que para isso joguem a cortina de fumaça do "fundamentalismo na luta do bem contra o mal".

A quem interessa Eduardo Campos morto? A Dilma, Lula e PT não é. Foi uma perda de membro querido da banda que resolveu partir para carreira solo. Considerada a festa dos especuladores da bolsa, da mídia e da oposição com a "reviravolta" do cenário traduzido no "mal necessário" da campanha de Marina para alavancar Aécio e derrotar Dilma a todo preço, a teoria conspiratória do "atentado" tem mais suspeitos do outro lado. Logo isso vai sumir da mídia.

Por que a candidatura de Marina seria um "mal necessário"? Porque teria que ocupar o espaço certo, ou seja, quem a promoverá não desejará sua vitória, apenas que tire votos de Dilma e cresça até onde não ameace Aécio, que é o candidato ideologicamente comprometido com o "ISIS" capitalista. Se começar a crescer demais a mídia virá podando denegrindo sua imagem, criando factóides, enfim, fazendo o mesmo que faz contra Dilma, Lula e o PT há anos.

Mais sobre a euforia na Bolsa e entre os abutres da mídia oposicionista em http://blogdobranquinho.blogspot.com.br/2014/08/fanoapa-0076-eurofia-na-bolsa-com-morte.html

Sobre suspeitas: http://www1.folha.uol.com.br/poder/2014/08/1500998-deputado-do-psb-diz-que-resultado-sobre-caixa-preta-e-muito-suspeito.shtml?cmpid=%22facefolha%22

Sobre falta de vergonha e oportunismo mórbido: http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2014-08-15/campos-se-espelha-em-aecio-diz-psdb.html

GOLPE : "Segue anexo comprovante de depósito N° (48607)"

Este golpe é dedicado ao mesmo tipo de clientela que vê pela internet os "recibos" de pagamento do Bolsa-Família com valores exorbitantes e acredita. Pode-se fazer qualquer coisa com um recibo, desde a edição em meios eletrônicos à impressão nos equipamentos originais com posterior descarte dos registros.

A pessoa está doida por um dinheirinho e aí recebe uma mensagem falando em depósito na sua conta. Até quem nem tem conta clica para ver o que é, e sem perceber ganha o "depósito" de um vírus na sua máquina que irá repassar a bandidos todas as suas senhas. E passa por cima dos erros crassos como "sengue anexo..." e o "de " e "para" que têm o próprio endereço de e-mail. A mensagem ainda faz a gozação: "qualquer dúvida só me chamar". Como, se o e-mail parece ter sido mandado por você mesmo.

A imagem e os hiperlinks "Exibir apresentação de slides" e "Baixar como zip" estão ligados a "https://2gz4lw.bn1303.livefilestore.com/y2prZrzTFdSswE9cSg1g1GIbZOfg4SWNj3MRHUXnldO8838CpEeYtokJFheItNo6AVthjgqHH26B0_9jR1hWNnZ5OELjyAfw5SYyu4ut8FbWFI/compdedeposito.png?psid=1", site certamente usado como zumbi pelos fraudadores para recolher os dados.

Se tiver vacilado e clicado passe urgente um anti-vírus atualizado, mude suas senhas (depois de limpo) e torça para que não tenha sido lesado.  Segue a imagem da mensagem.



sexta-feira, 15 de agosto de 2014

FANOAPÁ 0076: Euforia na Bolsa com a morte de Eduardo Campos e a candidatura de Marina.

Especuladores comemoram a morte de Eduardo Campos com perspectivas de haver segundo turno com Marina. Petrobrás e Bradesco sobem em meio ao luto da família. É a falta de noção associada à crueldade, ao desrespeito a todos os que, de alguma forma, hoje lamentam o falecimento do candidato. Não param de pensar em dinheiro de jeito nenhum. Não disfarçam que as pessoas são apenas detalhes, e que o importante é no final fazerem dinheiro em cima de tudo e de todos. Fim da picada!

"Otimismo generalizado do mercado", "Os rumores (da candidatura Marina) geram euforia". Frases do Infomoney que corroboram com a visão dos abutres e hienas que aproveitam-se do momento de comoção para empurrar Marina goela abaixo do PSB buscando dar sobrevida tentar dar sobrevida à candidatura Aécio Neves. É o capitalismo explícito, sem vergonha e sem noção mostrando sua cara.

Extraído de Infomoney hoje falando da euforia dos especuladores em meio à morte de Eduardo Campos. 


GOLPE : "Orçamento-Planilha-PDF Urgente (16221)"

Há golpes onde é visível a incipiência criativa do autor. Há outros onde também se vê insuficiência no aprendizado da língua portuguesa. E há os desse tipo onde também falta coerência na mensagem, parece coisa de doido.

O golpe já se anuncia ao ter em "de" e "para" o mesmo e-mail, mostrando que o script do bandido usou o meu e-mail a partir de uma lista e jogou em ambos os campos sem se preocupar com deixar essa imensa pista de fraude. Por baixo do hiperlink "Orçamento-Planinha-PDF" se esconde o link
"http://198.72.122.91/r?Or%C3%A7amento-Planilha-PDF", onde certamente aguarda pelo incauto curioso um vírus para roubar dados. Até aqui a gente já sabe que é golpe sem ler a mensagem.

Vamos à interpretação do texto:
- "sr contribuinte" pressupõe que a mensagem seja de alguma organização ou setor governamental ao qual o destinatário estaria filiado;
- "vou falar direto com o dono" é uma ameaça porque está "difícil mexer com vcs", linguajar que parece mais criminoso que comercial;
- Quem é "DENIS & GRICOLA"? O remetente ou o destinatário?
- Depois de ameaçar, pede para olhar o "oraçamento" dele com carinho"

Caso mesmo depois de tantas bizarrices assim você tenha feito a estupidez de clicar no link use imediatamente um anti-vírus atualizado, limpe sua máquina e troque eventuais senhas que tenha usado desde o ato insano de buscar a tal planilha. E torça para que os bandidos não tenham feito uso dos seus dados sem nenhum carinho.  Segue a imagem da mensagem:

EURÁSIA 2014 - 004 : Estudando Rússia e Ucrânia em tempos de crise

Quando fomos a Moscou em 2011 conhecemos um jovem jornalista que nos disse que para conhecer a verdadeira Rússia o melhor seria ir ao interior, porque o que se vê na capital e em São Petersburgo é ficção. De fato, em Moscou há 100 mil milionários, carrões daqueles que a gente só vê em álbuns de figurinhas e restaurantes e lojas inimagináveis num país onde até há 20 anos se dizia comunista.

No ano passado fomos a Kaliningrado, exclave situado às margens do Mar Báltico espremido entre a Lituânia e a Letônia, que poderia dar idéia da "verdadeira Rússia" não fosse a atipicidade do território ter sido importante base na Guerra Fria e hoje não ter mais essa função. Decadente, mas não só diretamente pelas razões econômicas que afetam o resto do país. Também fomos a São Petersburgo ver sua riqueza e ostentação pelos palácios de czares e czarinas e turismo forte, mais bela e opulenta que Moscou e, por isso mesmo, menos representativa do que seria o universo russo.

Resolvemos nesta viagem ir ao sul da Rússia encontrar esse amigo na sua cidade natal, Rostov on Don, que tem a peculiaridade da proximidade com o Mar de Azov e... fica a 60km da fronteira com a Ucrânia justo na retaguarda do território em guerra entre rebeldes pró-Rússia e o exército ucraniano. Pertinho de onde foi abatido o avião da Malaysian Air e, portanto, área de alto risco caso esquente a guerra entre Rússia e Ucrânia.

Para fugir do alinhamento entre Kiev (Ucrânia) e Rostov, que passa diretamente sobre a área conflagrada, a princípio projetamos ir para Volgograd (antiga Staliningrado, palco da mais sangrenta batalha da 2a Guerra Mundial) e depois seguir para Rostov. Numa avaliação mais precisa verificamos que o custo x benefício dessa escala não seria razoável, nem a amostragem para fins de conhecer a "real Rússia" seria válida, pois trata-se de uma cidade-monumento com um bom museu e, no mais, uma cidade à beira do rio Volga sem maiores diferenciações das demais do interior. Para quem vai a Rostov seria uma redundância com o acréscimo de passagens aéreas onerosas em horários complicados. Na Rússia são raros os vôos domésticos que não obriguem à passagem por Moscou, aumentando muito os tempos de viagem com essas escalas ou conexões.

Dedicamos 4 noites a Rostov, o que normalmente é o dimensionamento de tempo para uma capital média, porque pegaremos um fim de semana na companhia de pessoas da cidade mais um dia útil para conhecer como vivem na realidade. Esse é o foco da viagem, porque as cidades russas seguem praticamente as mesmas soluções urbanas da era dita socialista onde a todo momento nos lembramos do projeto de Brasília nas partes novas e o monumentalismo nas áreas históricas.

No plano original também colocamos a Criméia depois de Kiev e Rostov para não ter problemas com as autoridades ucranianas, já que o território é considerado por eles como área ocupada pelos russos e, portanto, passar por lá e ir à Ucrânia seria visto como um ato hostil. No estudo mais profundo envolvendo Yalta, Sebastopol e Simferopol o que vimos se não nos empolgou também não desestimulou. A Criméia era uma das regiões mais pobres da Ucrânia e agora está em mãos russas passando por transformações que vão da adoção de uma nova moeda à implantação da nova administração com potencial de conflitos. Por ora fica no congelador esperando o martelo final ser batido. Caso venhamos a visitar a Criméia serão 3 noites e um carro alugado. As coisas estão baratas por lá, já que os turistas ucranianos e os cruzeiros não aparecem mais para ocupar hotéis  e atrações.

Para Kiev, capital da Ucrânia, também dedicaríamos um final de semana e dois dias úteis, e num deles faríamos a visita a Pripiati, onde se situa a famosa usina nuclear de Chernobyl. Pesquisando mais sobre essa excursão não sentimos firmeza na segurança, pois há denúncias de aumento de atividades no núcleo da usina com a radiação se expandindo. Aparentemente haveria alguma segurança respeitados certos limites, pois nos últimos 30 anos já houve decaimento da radioatividade, mas a gente sabe como é turismo: a praia não tem tubarões até que haja umas 10 mortes...

Nada resolvemos à espera da próxima terça-feira, 19/8, quando o parlamento ucraniano votará uma nova rodada de sanções que poderão até bloquear os atuais vôos que ainda saem da Ucrânia para a Rússia, trazendo impacto imediato ao plano. E nos próximos dias haverá aumento de tensões por conta do comboio de ajuda humanitária que já se encontra na fronteira com a Rússia e que o governo de Kiev quer impedir de entrar na área dominada pelos rebeldes. Também está acontecendo uma forte ofensiva governamental sendo previsível a derrota dos rebeldes nas próximas semanas, já que a Rússia não os apoia na idéia de secessão da Ucrânia. Como é comum nas guerras européias, com a derrota dos pró-russos haverá perseguições, execuções e todo tipo de barbárie antes da "faxina étnica" que poderá colocar a Rússia diretamente no confronto contra Kiev. E ainda a possibilidade de comprarem briga pela Criméia com apoio da OTAN, e aí vira guerra mundial.

Como a gente só vai à região por volta do início de outubro, vamos fazer alguns projetos e deixar guardados esperando o desenrolar dos fatos. Só vamos reservar hotéis e comprar passagens quando já estivermos na Turquia, lá pro fim de setembro. Se não der pé, tem a Grécia ali ao lado como alternativa. 

MÍDIA BANDIDA 0068 : Espalhando a difamação no atacado e retratando no varejo

Site FCS publicou a matéria sem a retratação posterior
O site FCS - Folha do Centro Sul e o # Revolta Brasil publicaram nas sua edições de hoje as seguintes manchetes: "PETISTAS "COMEMORAM" A MORTE DE EDUARDO CAMPOS NO MATO GROSSO DO SUL, SEGUNDO EMPRESÁRIO", no FCS e "CANDIDATO DENUNCIA COMEMORAÇÃO DE PETISTAS SOBRE MORTE DE EDUARDO CAMPOS" no outro.

Na matéria do FCS postam uma imagem do perfil de Antônio João Hugo Rodrigues onde se oculta sua condição de candidato ao senado pelo PSC na coligação com o PSDB, possivelmente por motivos de legislação eleitoral. Já no #Revolta Brasil a informação é mais completa sobre a candidatura do "denunciante", publicam a reação dos assessores de Delcídio e a retratação do candidato Antônio Rodrigues, o que é o procedimento correto

Os sites, evidentemente, deves ter  leitorados diferentes do de Antônio Rodrigues, e o que divulgam atinge possivelmente a pessoas diferentes das que acompanham o perfil dele. Além do mais diversos outros sites usaram o FCS como fonte para tal "denúncia". Sem a consideração posterior da retratação referida à matéria anterior fica a impressão do uso partidário do assunto para fins políticos.

Retratação parcial publicada no perfil do candidato
Site publicou matéria e retratação
Eis que o candidato deve ter sido intimado por alguém da parte do senador Delcídio e publicou uma retratação parcial no seu perfil para fugir a possível processo por difamação. Pesquisei na internet e não a vi divulgada pelo FCS. Ou seja, a difamação foi espalhada ao vento, enquanto a retratação foi pontualmente publicada.

É esse tipo de procedimento, muito comum na mídia, que destrói reputações e resulta em impunidade, porque a fonte original do crime se retrata e os que divulgam não fazem repercutir as retratações.

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

YOUTROUXA 0117 : "Petistas comemoram a morte de Eduardo Campos"

Nota oficial do PT sobre a morte de Eduardo Campos
Um artigo do PT com críticas a Eduardo Campos, datado de 7 de janeiro, além de postagens que dizem ter havido comemorações pela morte do político e outros com insinuações de assassinato por atentado encomendado por Dilma foram espalhados hoje pela direita nas redes sociais, aproveitando-se do momento de comoção para instigar ódio ao partido e a Dilma.

Material de campanha de 7 de janeiro de 2014 espalhado hoje
Teve gente pedindo a morte de todos os petistas e de Dilma. Outros, como Olavo de Carvalho, insinuando atentado. E os canalhas avulsos que distribuíram a nota antiga como uma "homenagem póstuma" a Eduardo Campos tripudiando sobre o seu cadáver. E ainda tem trouxa
que acredita nessas coisas.

A divergência político-eleitoral aparta pessoas mas depois pode haver unidade. Assim foi com Eduardo e Marina, que eram do governo e resolveram partir para formar chapa contra o governo. Legítimo politicamente, mas pelas regras do jogo ao criticarem merecem também ser criticados dentro do respeito e da ética. Nada de excepcional na nota do PT antiga.
Injúria do candidato ao senado aliado do PSDB


A crítica política de campanha eleitoral, sacada do seu contexto e aplicada ao momento da morte para ser divulgada por incautos como nota oficial sobre o falecimento visa exclusivamente criar animosidade contra os apoiadores de Dilma.

O que vale hoje é o respeito às famílias dos mortos, o luto oficial e as declarações das pessoas que conviveram com Eduardo Campos. E ainda assim tem gente sem escrúpulos que quer faturar em cima.



Marina pode ser o novo Collor?

Antes do acidente que matou Eduardo Campos a realidade eleitoral baseada em pesquisas dava Dilma vencendo no primeiro turno com pequena margem. Estávamos a seis dias do início dos programas eleitorais na TV onde Dilma terá o o dobro do tempo de Aécio e poderá confrontar a ofensiva de mídia que não conseguiu tirá-la do patamar de 38%, mas não fez Aécio nem Eduardo subirem.

Com a morte trágica de Eduardo agora se fala na apresentação do nome de Marina Silva como candidata da frente liderada pelo PSB. A decisão do partido não será fácil diante da certeza da migração de Marina para o partido Rede com ou sem vitória. O partido terá que optar entre o oportunismo de ficar refém do grupo de Marina ou lançar um nome mais comprometido com o PSB histórico e entregar a eleição a Dilma no primeiro turno, como o tal "mercado" já pressentiu com a queda da bolsa e subida do dólar especulados ontem.

A mídia patrocinada pela a especulação e o setor financeiro aposta em Marina conseguir o segundo turno mas tem receios  porque não sabe até que ponto poderá crescer em cima da comoção pela a morte de Eduardo. Há três cenários possíveis: . Ontem a Folha nem esperou o luto e já correu atrás de influenciar a decisão PSB com uma pesquisa do Datafolha comunicada ao TSE sobre o segundo turno Marina x Dilma e o que o partido deveria fazer agora.

- Marina escolhida candidata com ruídos no PSB e nos palanques articulados por Eduardo com PSDB e DEM, por representar uma proposta mais à esquerda de Campos que também criará atritos com o agronegócio e outras áreas reacionárias também influentes em mídia. Pode não consegue decolar por falta de apoios, mesmo que se torne mais simpática como "terceira via" que sempre foi a proposta da sua chapa. Parte do eleitorado de Eduardo pode vir a anular votos, apoiar Dilma (tensão que só a presença de Eduardo conseguia combater) ou correr para Aécio, reforçando o atual cenário de vitória do governo no primeiro turno;

- Marina escolhida com todos os problemas do item anterior, mas não decola por falta de sustentação partidária ou eleitoral por desconfianças sobre o que seria o seu governo com o PSB elegendo uma bancada irrisória, tornando-se dependente do PT e/ou da direita (PSDB, DEM). Também pode sofrer por ser identificada com um segmento que confronta com o agronegócio, identificação com o banco Itaú, dificuldade de fazer crível seu discurso como suficiente para governar um país muito mais complexo que a temática ambiental, parecer uma cópia do governo, etc. Cresceria, levaria Aécio ao segundo turno inflada pela "onda verde" midiática que lhe rendeu os 20 milhões de votos na eleição passada. Cenário ideal para a direita que apoía Aécio;

- Marina é escolhida no PSB no embalo da mídia favorável, cresce no "reconhecimento emocional" de Eduardo ter sido uma candidatura alternativa que ganhou visibilidade com o impacto da sua morte e vira uma terceira via entre os desgastados Aécio e Dilma, num movimento viral, e cresce ultrapassando Aécio e indo ao segundo turno com Dilma. Se isso acontecer nada mais é previsível, a não ser o cheque em branco que os derrotados na candidatura Aécio terão que lhe passar para derrotar Dilma no segundo turno. Voltamos a 1989 quando Collor surpreendeu com o discurso moralista do "caçador de marajás" e foi com Lula ao segundo turno. O imponderável servirá de pesadelo a Dilma, porque o massacre midiático pode chegar a limites inimagináveis de desespero, à direita, porque apostaria numa candidatura desagradável na qual teriam que mendigar se virar governo, e à própria Marina, que teria que renegar tudo que disse para fazer um governo "governável" através da composição com um enorme leque de forças à direita, com o PT na oposição e desagradando aos movimentos sociais caso embarque para a direita cedendo às pressões do mercado. 

terça-feira, 12 de agosto de 2014

GOLPE : "Relatório de Investigação e Monitoramento Virtual"

Esse golpe é elaborado especialmente para quem caiu naquela onda de mentiras sobre "censura na internet" pela Dilma, etc. É do padrão Kafka: você sabe que não fez nada errado mas... é bom checar. E aí clica em "BAIXAR PDF", "BAIXAR DOC" ou na barra em "www.dpf.gov.br" e é encaminhado para o link oculto
https://www.sugarsync.com/pf/D3606372_933_788414154?directDownload=true, que não tem nada a ver com a PF nem com governo e sim com um vírus de brinde.

Seria o cúmulo do estado policial, mas tem gente que acha que está devendo porque andou navegando em lugares esquisitos e quer saber o que foi que pegaram. Não pegaram nada: que pegou foi o micro do curioso. Passe anti-vírus, depois de limpo mude senhas e torça para o golpista não ter feito uma festa com teus dados.




EURÁSIA 2014 - 003 : Viajando no tempo na Armênia, Azerbaijão e Geórgia

A parte sul das montanhas do Cáucaso tem sido uma das áreas mais estratégicas do mundo ao longo da história. Espremida a leste e oeste pelos mares Cáspio e Negro, respectivamente, tendo ao norte a Rússia, ao sul o Irã e Turquia, desde os tempos mais primórdios foi palco de interesses geopolíticos próprios além de ficar na Rota da Seda, que ligava a China à Europa. Também é onde a mitologia cristã contribui com Noé e sua arca estacionando no Monte Ararat. Alguns também atribuem ao surgimento na região do grupo étnico "caucasiano", que teria se espalhado para a Europa, sul da Ásia e Norte da África.

Essa região viu ao longo dos séculos florescerem povos e ao mesmo tempo presenciou genocídios, limpezas étnicas, migrações forçadas e foi palco para muitas guerras no passado e situações tensas no presente. A Geórgia reivindica as atuais repúblicas da Abkázia e Ossétia do Sul, que têm reconhecimento parcial e apoio militar russo. Armênia e Azerbaijão disputam a região de Nagorno-Karabakh. Armênia e Turquia têm fronteiras fechadas por histórica disputa que culminou com o genocídio de armênios turcos há um século. O Azerbaijão é disputado pela geopolítica da OTAN e russa e tem pretensões expansionistas através da Armênia para unificação com a república autônoma do Naquichevão, interligando os povos turcos desde o Turcomenistão à atual Turquia. Fora dos três países mas na borda norte da Eurásia estão repúblicas que só vemos nos noticiários de guerra, como a Ossétia do Norte, Daguestão, Chechênia, etc.

Tudo que a gente viu de passagem nas aulas de história na escola agora é matéria obrigatória. Por ali passaram impérios de mongóis, persas, hunos, otomanos, bizantinos, gregos, romanos e povos nômades como os alanos que foram até a Península Ibérica a partir da Ásia Central. Fora as guerras civis, a incorporação pela União Soviética e depois as independências que avivaram conflitos étnicos e territoriais.

Planejar viagem nessa área é andar em campo minado, porque dependendo do trajeto pode-se ter surpresas desagradáveis e até ser detido. Ontem fomos em Brasília às embaixadas da Armênia e do Azerbaijão para ter informações mais precisas. Atendimento cordial e afirmações de não haver problemas no trânsito entre os dois países, no entanto, continuam contrastando com os relatos da internet. A rigor a Armênia está em posição de vantagem na questão do Nagorno-Karabakh e a maior disposição bélica partiria do Azerbaijão. Chegar por lá com visto do Nagorno-Karabakh no passaporte é pedir para voltar do aeroporto mesmo. Da Armênia, em tese, não teria problema, mas decidimos não pagar para ver.

O Nagorno-Karabach tem grande maioria da população de armênios e é uma ilha dentro do Azerbaijão. Numa guerra rápida logo após a dissolução da União Soviética conquistaram territórios do Azerbaijão que lhe deram fronteiras com a Armênia e o Irã e de lá para cá houve tréguas e novos conflitos que tornaram a região uma das mais militarizadas do mundo. O acesso é complexo. Tem um aeroporto mas não opera porque as autoridades aeroportuárias do mundo todo só aceitam homologá-lo se houver concordância do governo do Azerbaijão, o que obviamente não terão. O percurso seguro por terra é feito por uma estreita faixa pela Armênia. Avaliamos que o benefício não valeria o custo político e a burocracia e desistimos de ir por lá.

De tudo isso confirmamos nosso roteiro inicial: Baku (Azerbaijão) - Tblisi (Geórgia) e Erevan (Armênia). A Geórgia tem boas relações com o Azerbaijão, Por ela passam uma ferrovia e um gasoduto que chegam à Turquia sem passar por território russo, garantindo à Europa uma fonte segura de energia em caso de represálias russas ao ocidente. Da Geórgia se passa de ônibus, trem e avião, mas os vôos não são diretos e demoram mais em escalas em lugares distantes (Istambul, Moscou, etc), fazendo da opção por ônibus mais rápida. Há também a alternativa das "marshruktas", que são táxis coletivos com roteiros pré-definidos, um misto das nossas vans com lotações. Levam de 4 a 5 horas.

Para a Armênia é exigido visto, mas pode ser conseguido ao chegar ao país em qualquer posto de fronteira e aeroportos. Paga-se uma taxa para ter o carimbo no passaporte. Para o Azerbaijão o processo é mais complicado. No site da embaixada fala-se em ter um convite de alguém de lá como documento necessário. Tipo da coisa sem futuro porque há um mercado de venda de "convites" pela internet. Na embaixada soubemos que isso pode ser substituído por reserva em hotel. O visto é dado a partir da data prevista de chegada ao país. Para a Geórgia não há necessidade de visto.

Em termos de roteiros, a princípio, ficaremos apenas em Baku, capital do Azerbaijão, por 4 noites, podendo num desses dias fazer alguma cidade próxima que espelhe mais a realidade que se esconde por trás dos modernos prédios ocidentais da área nobre da cidade. Sairemos de avião para a Geórgia com previsão de 7 noites no país, sendo 3 na capital Tblisi, duas no litoral em Batumi e duas nas montanhas em Mestia, tendo o carro alugado como transporte para visitar outras cidades e atrações como Mtskheta, Gori, Gudauri, Kutaisi, Zugdidi e Svaneti. Na Armênia, menor dos três países, passaremos 4 noites tendo como foco a capital Erevan fazendo passeios de carro a Khor Virap, onde se vê melhor o Monte Ararat, que apesar de ser o símbolo do país está atualmente na Turquia, e ao Lago Sevan. Dá para ir e voltar no mesmo dia, passando por cidades e vilarejos no caminho. Passaremos para o Irã de avião.

A dificuldade com língua e escrita será maior na Geórgia e Armênia. O Azerbaijão aparenta querer disputar com Dubai uma fatia do turismo de ostentação, embora o fluxo seja pequeno ainda, e aposta na ocidentalização, facilitando ao estrangeiros a comunicação. Em todos os lugares, segundo os relatos, há redes de internet wi-fi de qualidade. Moeda do Azerbaijão é o Manat Azeri, que tem a cotação parecida com a do Euro mas o poder de compra é maior. Na Armênia é o DRAM e na Geórgia o LARI, que podem ser obtidos em casas de câmbio ou no caso de VTM em terminais bancários.

Para conhecer mais sobre o contexto sem muita profundidade o Wikipedia tem materiais nos verbetes:
- Azerbaijão, Abkhazia, Adjara, Batumi, Borjomi, David Gareja Monastery, Geórgia, Marshrutka, Ossétia do Sul, Armenia, Ilkhanate, Khanate, List of Muslim empires and dynasties, Império Mongol, Alexandre O Grande, Império Romano, Império Bizantino, Império Huno, Cáucaso, História do Cáucaso, Conflitos do Cáucaso, Império Otomano, Império Russo e dentro deles os links para outros assuntos correlatos.

No Wikitravel há boas indicações nos verbetes:
- Armenia, Central Armenia, Karki, Nagorno-Karabakh, Nakhcivan, Yerevan, Azerbaijan travel guide, Baku, Batumi, Georgia travel guide, Gori travel guide, Kazbegi, Kutaisi, Mestia, Mtskheta, Svaneti, Tblisi, Ushguli, Vani, Vardzia, Zugdidi, Caucacus travel guide

Há um bom livro do Lonely Planet, em inglês, sobre Armênia, Azerbaijão e Geórgia

Há uma infinidade de vídeos sobre países e cidades no Youtube com cenários, costumes, belezas, aventuras e problemas sociais.

No próximo capítulo abordaremos a Ucrânia e Rússia, encerrando a pesquisa de roteiro.

Capítulo anterior: EURÁSIA 2014 - 002 : Estudando o roteiro da Turquia






domingo, 10 de agosto de 2014

EURÁSIA 2014 - 002 - Estudando o roteiro da Turquia

Roteiro preliminar elaborado com o site Rome2Rio
No capítulo anterior (EURÁSIA 2014 - 001 - Estudando o Irã) fizemos projeto preliminar da etapa iraniana. Mais um dia de estudos e chegamos ao esboço para a Turquia. Fizemos a primeira estimativa de custos, de calendário para cada etapa e a simulação da chegada a Istambul pelas diversas opções de roteiros aéreos. Tudo isso com um olho nas TVs e noticiários de agências estrangeiras sobre a conjuntura na região. Um dos eventos que poderia alterar a viagem seria tumulto nas eleições turcas, que aconteceram hoje e aparentemente não vai haver questionamentos. Assim sendo, a etapa Turquia está garantida.

Também nos preocupa o desenrolar da violência de guerras, não pela Turquia, pois estaremos bem longe das fronteiras com a Síria e Iraque, mas porque pode respingar no Irã, que tem apoiado o governo do Iraque, e o envolvimento norte-americano, podendo haver uma escalada de terrorismo na região.

A princípio pensamos numa viagem de 60 dias sendo 15 para a Europa Ocidental (Portugal/Espanha, caso fôssemos de TAP, ou Holanda/Bélgica/Luxemburgo, no caso da KLM, que apresentaram melhores preços) e 45 dias para a Eurásia (Turquia, Ucrânia, Rússia, Azerbaijão, Geórgia, Armênia e Irã). Ponderamos que o mínimo em cada país, mesmo que só para visitar uma capital, como Baku, no Azerbaijão, seria de 4 noites (três dias integrais). O roteiro do Irã ficou apertado em 10 dias, como planejado antes. A expectativa para a Turquia era de 12 dias, mas lançados os dados mais detalhados vimos que 18 dias seria um mínimo. Moral da estória: rifamos a parte européia e partimos para a passagem mais barata via Turkish Airlines num vôo que sai de São Paulo e vai direto para Istambul em 12,5h, cruzando a Àfrica. Mesmo com o trecho Brasília / São Paulo / Brasília em vôo doméstico o preço total seria melhor que qualquer proposta pela Europa.

Essa é uma solução incômoda, porque se pode trazer até 64 kg de bagagem por pessoa (2 malas de 32 kg) do exterior, mas como o bilhete não é emitido desde a origem o máximo que se pode carregar sem pagar sobrepeso é 23 kg. Normalmente não trazemos muita coisa, mas vamos ter que resolver isso de alguma forma.

Como o horário de chegada é 21:30h e no Brasil serão 15:30h, tirando o cansaço da viagem não haveria razões para sono, por isso vamos pegar um carro alugado no aeroporto e cair na estrada para algum hotel reservado previamente na região da Trácia, preferencialmente Tekirdag. Vamos fazer a rota no sentido anti-horário do esquema do mapa.

Os pontos turísticos estudados contemplam praticamente tudo que as operadoras de turismo usualmente oferecem: Izmir, Pamukkale, Capadócia, Ancara e Istambul. Quando começamos a ver fotos das praias a coisa mudou. Há um litoral maravilhoso, não apenas pela beleza das praias, mas pelas montanhas, ruínas e muita história de diversas fases da civilização. Resolvemos incluir o que achamos de melhor no litoral: Çesme, Fethiye, Kaputas, Oluzeniz e a vila grega fantasma, Cirali e as praias de Antalya. Por conta desse arranjo a viagem cresceu 4 dias. E a opção pelo carro alugado se tornou uma obrigação.

No total, salvo novas mudanças, o roteiro do interior será de 15 dias percorrendo cerca de 3 mil km, uma média de 200km por dia, o que nossa experiência mostra ser bem razoável sabendo-se que as estradas são boas. Em todos os lugares programados para pernoite há hotéis e apartamento a menos de R$ 200 por dia. A comida parece ser mais barata que aqui. Só a gasolina é que pesa: R$ 5,60 por litro. E ainda dizem que a nossa é a mais cara do mundo...

Para Istambul estamos estimando 4 noites. Esse detalhamento será feito numa etapa posterior. Próximos passos: roteiros da Geórgia, Armênia e Rússia.

Capítulo anterior: EURÁSIA 2014 - 001 - Estudando o Irã)

A quem serve e quanto vale a derrota de Dilma?

Mr Moneybags (fonte: www.politico.com)
Recentemente vimos a escandalosa intromissão do Santander, banco de capital espanhol, na campanha eleitoral brasileira, aterrorizando seus clientes mais ricos sobre os "riscos" da reeleição de Dilma. O mesmo fez a consultoria Empiricus, investindo uma fortuna na promoção de anúncios na internet falando das vantagens econômicas para o capital da vitória de Aécio e da derrota de Dilma. E ainda há o dado no mínimo inusitado da arrecadação da campanha de Aécio ter captado mais doações que a de Dilma, que está no poder e, em tese, deveria captar mais recursos pelo fato de ter movimentado o setor produtivo com obras, compras governamentais, etc. E Aécio ainda diz que precisa de mais, num claro apelo aos setores com interesses que não são os da maioria dos brasileiros.

A quem serve e quanto vale a derrota de Dilma? 

- Aos banqueiros, rentistas e especuladores  quem ter um governo que eleve o patamar de juros reais é fundamental como foi FHC, retirando também a concorrência de bancos públicos oferecendo crédito mais barato?
-  Aos capitalistas ineficientes que procuras aumentar a competitividade através da redução da folha de pagamento também, com um governo que arroche salários e suprima direitos sociais também?
- Às elites rançosas, demofóbicas, que querem acabar com a interlocução com movimentos sociais e retirar "privilégios" dados por Lula e Dilma (Bolsa-Família, Prouni, Mais Médicos, universidades, escolas técnicas, PRONATEC, Farmácia Popular, 192, Brasil sem Fronteiras, cotas, etc) e restaurar a absoluta supremacia dos ricos sobre os pobres?
- Aos neoliberais alinhados com o Consenso de Washington, que consideram o crescimento do PIB e o controle da inflação variáveis superiores ao nível de emprego e aumento real dos salários?
- Aos defensores do "estado mínimo" que propõem o enxugamento do serviço público, redução das despesas com programas sociais e aposentadorias e privatização de empresas como Banco do Brasil e Petrobrás?
- Ao imperialismo tradicional, liderado pelos Estados Unidos, a quem o Brasil incomoda com posições firmes na ONU (condenação a Israel pelo massacre em Gaza, tentativa de acordo nuclear com o Irã, liderança em blocos regionais como o BRICS, G-20, Mercosul, Unasul, unidade com governos anti-imperialistas na América Latina, soberania sobre riquezas naturais)?
- Ao latifúndio e aos desmatadores do agronegócio?
- Aos interessados na mudança do regime de concessão do Pré-Sal para favorecer estrangeiros?
- Às raposas corruptas que saquearam o país por 500 anos e definham a cada eleição?
- À mídia bandida patrocinada por interesses de todos os anteriores que definha por falta de credibilidade e concorrência direta com a Internet, que pretende manter impérios e forçar a censura aos demais?

Fica para reflexão e pode ajudar a entender a campanha bilionária de Aécio, um candidato que não teria votos por representar a minoria, mas é alavancado por todos os setores envolvidos nas questões acima para enganar o povo e ganhar a eleição. Não faltará dinheiro para derrotar Dilma e restaurar a bandalheira que penalizou os trabalhadores até 2002.

sábado, 9 de agosto de 2014

EURÁSIA 2014 - 001 - Estudando o Irã

Avalio o Irã como a etapa mais difícil de planejar dada a pouca informação, muita desinformação e preconceito e principalmente a vida prejudicada por um embargo imposto pelos Estados Unidos via ONU por conta do programa nuclear. A "exclusão" do Irã do "mundo civilizado" aconteceu a partir da revolução iraniana na década de 70, quando o fantoche xá Rehza Pahlevi foi surpreendentemente derrubado mesmo com todo apoio americano e o povo partiu com tudo para a embaixada dos EUA em Tehrã, vasculhando documentos que sequer houve tempo de destruir. Foi um golpe tão grande para os interesses geopolíticos norte-americanos nas áreas petrolíferas que os EUA usaram o fantoche Saddam Hussein para fazer uma guerra de sete anos contra o Irã, que acabou empatada e só custou muito ao povo. Tudo que os EUA podem fazer contra o Irã será feito.

Sob certos aspectos pode-se dizer que o Irã é a Cuba da Eurásia, aos olhos norte-americanos. Como os muçulmanos persas (não são árabes como muitos pensam) são em maioria da corrente xiita, a mídia pró-americana tratou de tornar o termo "xiita" sinônimo de "radical". Os tempos recentes e mesmo uma leitura mais profunda sobre islamismo, além do legado ocidental do Irã, permitem dizer que são o que há de mais avançado nessa cultura. A eles também foi imposta a pecha de terroristas, embora hoje no mundo os sunitas estejam por trás das maiores atrocidades: talibãs (Afeganistão); Al Qaeda; ISIS, etc. E estão no poder em países que sustentam grupos terroristas mesmo sendo fantoches norte-americanos, como a Arábia Saudita, os Emirados Árabes, Catar e Kwait.

Em 2010 o Brasil e a Turquia costuraram com o Irã de Ahmadinejad um acordo nuclear que a princípio teve o patrocínio de Obama e por ele foi traído em seguida. Aos americanos não interessa uma solução que permita o Irã respirar e se estabelecer como potência regional, já que no tabuleiro do Oriente Médio, para os EUA, só cabem Israel e os países árabes que patrocinam. Os iranianos apoiam os palestinos de Gaza contra Israel e os xiitas do Iraque na luta contra o ISIS sunita, além do Hezbolah libanês, todos grupos de resistência.

Sobre o Islã também há muito preconceito religioso por parte dos ocidentais. Lemos alguma coisa pelo olhar dos iranianos (compramos bons livros em espanhol editados no Irã) e vimos que conjunto de idéias obedece à realidade do século 6 DC e, assim como no cristianismo, há coisas que apesar de anacrônicas são preservadas pela tradição. O que temos a fazer é respeitar, afinal, é a casa deles. Mesmo que isso custe a mulher usar véu (eles são mais liberais nisso) e andar separados em ônibus. Até isso é algo que veremos no local. Não são intolerantes com estrangeiros, nem com os norte-americanos. Pelo contrário, os relatos falam de excelente hospitalidade.

Falando em relatos acho que esses oferecem visões e informações interessantes:

Irã visto, sem intermediários, pelo olhar brasileiro


Iraniano no volante…



COLINAS DO IRÃ

COORDENADA XY - Relatos de uma brasileira pelo mundo


O texto abaixo resume essa realidade do estado islâmico na relação com a sociedade civil e demais crenças. Num dos vídeos que vimos de Diego Buñuel é mostrada a vida de judeus em Tehran , sinagogas e o parlamentar judeu no congresso.

"A pluralidade religiosa é assegurada pela Constituição iraniana. As minorias religiosas possuem, por lei, direito a representantes na Assembléia Legislativa Islâmica. Os fiéis dos diferentes credos podem participar igualmente na política, economia e assuntos sociais do país. A religião predominante é o islamismo, mas é comum encontrar sinagogas, igrejas católicas ortodoxas e, principalmente, templos zoroastras." 

Feito esse entendimento tiramos a conclusão de haver razões para os brasileiros não terem nenhuma restrição por parte do povo iraniano. Vamos ao planejamento com base em pesquisas na internet. Primeiro dado: pelo boicote não há cartões de crédito de bandeiras internacionais disponíveis. É praticamente impossível comprar coisas on line como passagens em linhas domésticas e hotéis por causa da falta dos cartões. Há uma inflação elevada que faz os preços subirem em poucos dias. Mesmo assim os preços são cerca de 30% mais baratos que no Brasil, exceto bebidas e fumo (que têm permissão muito restrita). Já os transportes públicos são na faixa de R$ 0,60 e a gasolina custa uns R$ 0,50 por litro.

O principal eixo turístico fica na direção norte-sul envolvendo as cidades históricas de Isfahan e Shiraz e Yazd. Para o noroeste, em direção à Turquia, o atrativo é Tabriz. Em direção ao Mar Cápio, ao norte, Ramsar é o centro mais importante. A nordeste, Mashhad. No Golfo Pérsico, a ilha de Kish. E Teerã é uma cidade gigante, com mais habitantes que São Paulo, com muitas curiosidades.

Num primeiro giro tentando contemplar tudo chegamos a uma base de 20 dias. Há roteiros oferecidos de 24 dias por operadoras locais e até de 5 dias muito corridos. Baixamos do Wikipedia e do Wikitravel todas as informações das cidades-alvos em formato PDF para serem lidas em qualquer meio (celular, tablet, notebook). Analisamos os padrões e elegemos, por exemplo, as principais obras arquitetônicas e paisagísticas, museus e bazares mais importantes. No roteiro global temos 10 noites para todo o Irã. Isso dá 9 dias líquidos (normalmente consideramos o primeiro e o último dia perdidos por causa da viagem, e o que sobrar é folga). Três dias completos em Teerã e seis no interior. Muito pouco, mas é o que a viagem comporta, a não ser que se tire de outro lugar.

Descartamos as cidades isoladas e consideramos apenas o circuito mais denso, que é o central. Não vimos passeios oferecidos (que são relativamente baratos) com menos de 7 noites que nos atendam. Testamos a hipótese de fazer de carro alugado, onde a vantagem seria a flexibilidade de roteiro, mas seriam cerca de 2,4 mil km em 6 dias. O que é isso? Bom, a gente vive andando do Rio a Brasília, onde uma viagem de ida e volta tem esse tamanho. O aluguel, combustível, seguros, GPS e até uma taxa para devolverem uma garantia depois de 75 dias (para ver se não houve multas) se encaixam no orçamento consideradas duas pessoas (melhor se fossem 4). O problema é o terrorismo sobre o trânsito iraniano.

Nos relatos falam de coisas incríveis que tornam o trânsito de Teerã o terceiro pior do mundo. Excesso de carros antigos, combustível de baixa qualidade poluindo muito, motoristas sem noção são a maioria, desrespeito à sinalização, etc. Até relato de motorista de Moscou achando Teerã barra pesada vi, e o motorista russo é um dos piores do mundo. Mas também vi que as estradas são muito boas, têm controle de velocidade (110 km/h é o limite)  e na região central são praticamente retas e planas. Há placas em alfabeto ocidental nas principais vias e aparentemente não há caminhos de terra a seguir. Já dirigi em lugares absolutamente bizarros, principalmente no Brasil. Não seria esse temor que iria eliminar a hipótese de andar de carro.

Não fechamos a questão, que pode ser resolvida com transportes coletivos em Teerã e carro alugado no interior. A prioridade será para excursões que nos atendam razoavelmente. No mais é encarar logo no primeiro dia chegar ao Irã, pegar o carro no aeroporto (que é fora do centro) e cair na estrada andando o máximo possível para depois vir fazendo trechos de 200-300 km por dia. Na foto está um possível roteiro de 2400 km com um duas noites em Isfahan, duas em Shiraz e duas em Yazd. Deixa-se o carro no aeroporto e passa-se mais 4 noites em Teerã.

Capitulo anterior: EURÁSIA 2014 - 000 - Projetando a viagem